Voltar

A importância da gestão de processos na segurança do paciente

Administrando os departamentos do hospital, é possível monitorar as ações internas,  aprimorar o atendimento e identificar  pontos de melhorias

Por editorial GesSaúde

A gestão de processos de um hospital é essencial para o desenvolvimento da organização. Com uma metodologia consolidada, é possível identificar, monitorar e executar as atividades sequenciadas. “Em uma gestão baseada por processos, o hospital adquire uma visão horizontalizada, proporcionando a conexão de suas atividades ponta a ponta”,  explica Jaime Gama, assessor estratégico do Hospital São Rafael.

A gestão por processos se divide em duas categorias: os primários, que impactam diretamente no atendimento ao paciente, incluindo a atuação da equipe médica, enfermagem, fisioterapia, nutrição e demais áreas; e os de apoio, formados por toda a parte administrativa do hospital e que, indiretamente, também influenciam na relação com o paciente, como  as áreas financeira,  tecnologia da informação, faturamento, auditoria etc.

Essencial para a segurança dos pacientes, a gestão desses processos causa impactos práticos no dia a dia do hospital. Ao administrá-los, é possível montar uma estrutura para acompanhar o fluxo de informações e cuidar de cada etapa da gestão dos processos, ter a garantia de um resultado assistencial mais seguro ao paciente e atingir os objetivos planejados. “O hospital consegue traçar uma linha de atendimento – que vai desde o momento em que o paciente marca a consulta até uma cirurgia ou internação e sua alta final. Assim, fica mais claro para identificar possíveis pontos de melhoria e ineficiência instalada”, explica Gama.

Por outro lado, a má gestão de processos prejudica a organização de várias formas. A quebra da assistência é uma delas. “Sem o gerenciamento dos processos, os setores funcionam como ilhas individualizadas. Isso faz com que a comunicação entre médicos, enfermeiros e demais membros da equipe fique fragmentada”. Com isso, a equipe acaba tendo retrabalho e o paciente, muitas vezes, acaba passando mais tempo no hospital do que o planejado.

Para diminuir a incidência de erros, é essencial implementar no hospital uma gestão de mudanças – com a inserção de protocolos de segurança, melhores práticas de atendimento e cuidados específicos para cada perfil de paciente – e preparar a equipe. “Um idoso ou uma criança, por exemplo, precisa de acompanhamento para ir ao banheiro, levantar da cama, e outras atividades. É preciso considerar as particularidades de cada um”, explica Gama.

Já na área administrativa, é importante estabelecer um monitoramento de indicadores de resultados e desempenho. “Com novos protocolos e tecnologias surgindo, os processos devem ser aprimorados diariamente. Todos esses cuidados garantem que isso aconteça e que os resultados sejam satisfatórios” ressalta.

Saiba mais:

Conheça sinais que revelam falhas no gerenciamento de processos

Gerenciamento de processos como chave para uma gestão eficaz

Imagem: Depositphotos


22 de junho de 2017 | Atualizado dia 22 de junho de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos