Voltar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos cuidados é um fator preocupante

Por Wilson Lemes

É muito importante ter em mente que a efetividade clínica só será alcançada definitivamente quando todos começarem a pensar de uma mesma forma, olhando sempre para a importância da difícil equação entre qualidade e custos. É preciso alinhar os pensamentos e garantir que todos estejam unidos e remando no mesmo sentido, rumo a um mesmo objetivo.

Estudos recentes mostram que, a ineficácia dos cuidados é um fator de grande preocupação, pois se calcula que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico; aproximadamente 10% das ações embora mitiguem os problemas, acabam simultaneamente criando outros; e mais de 50% dos serviços são realizados sem evidências robustas.

Dentro deste contexto, o foco no cliente é algo muito importante. Garantir que ele tenha a melhor experiência e o cuidado mais adequado disponível é algo que tem se preconizado muito em modelos de gestões na área da saúde. Uma mudança nesse sentido, aos poucos começa a ser percebida: o médico deixa de ser o centro e vemos um empoderamento do paciente, que tende a ser cada vez mais instruído no que diz respeito à sua saúde e ao tipo de assistência que recebe. Porém, este é um ponto ainda a ser evoluído.

Esta ainda é uma realidade que não faz muito sentido, já que a maioria dos problemas acontece quando o médico não está por perto, além disso, ninguém está mais interessado no bem-estar do que o próprio indivíduo. E com a evolução da tecnologia foi possível começar essa mudança para engajá-los através da disponibilidade de informações como estado da saúde, sinais, sintomas, exames e medicações na nuvem. Além disso, portais do paciente facilitam os processos permitindo o agendamento de consultas e exames e retirada dos mesmos sem precisar ir até o hospital ou clínica, entre outros benefícios.

Educar pacientes e envolvê-los nos cuidados com sua própria saúde é tão crucial quanto engajar os profissionais e pode ser uma receita de sucesso na busca da efetividade clínica. É preciso embasar e padronizar as escolhas que estão sendo feitas, pois decisões aleatórias levam à variabilidade no atendimento e resultam em custos altos de assistência.

Existe uma grande diferença na forma como se presta os cuidados de saúde, dentro de um mesmo bairro e especialmente entre regiões, resultando em tratamentos muito heterogêneos. O maior desafio da medicina neste cenário é fazer um diagnóstico situacional a fim de entender por que pacientes semelhantes recebem cuidados tão diferentes e envolver o paciente no processo pode ajudar a diminuir esse problema.

A responsabilidade é muito grande por parte das organizações de saúde em encontrar as melhores soluções, aquelas que sejam capazes de assegurar que médicos e pacientes tenham acesso prévio a informações que os ajudem a embasar a sua escolha e aumentem assim as chances dela ser a mais adequada e bem sucedida, tanto do ponto de vista da saúde do paciente, como também para a instituição. Uma conduta correta e bem suportada por informações de qualidade e tecnologia de ponta diminui as chances de reincidência de internações, erros de prescrição de medicamentos, entre outros fatores que servem como uma catapulta para elevar os custos.

Wilson Lemes é Country Manager LATAM da Wolters Kluwer Helth, formado em Marketing, Negociação, Planejamento de Negócios, Dispositivos Médicos e Desenvolvimento de Negócios. O executivo acumula passagens por empresas como GE Healthcare, Nobel Biocare e O4B Consulting.

Saiba mais:

Gestão de enfermagem reduz erros e eventos adversos

I Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão na Saúde: sucesso de evento mostra que setor está em constante transformação

I Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão na Saúde consolida a prioridade de melhoria na gestão dos hospitais


6 de dezembro de 2018 | Atualizado dia 6 de dezembro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Gestão da fila nos serviços de Saúde

Redesenhar as linhas de cuidado para reduzir as expectativas requer investimentos em sistemas e redes de atenção à Saúde bem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão da qualidade e segurança dos clientes

Entidades governamentais estão cada vez mais preocupadas com a segurança dos usuários, porém, ainda falta muito para as organizações chegarem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos