Voltar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos cuidados é um fator preocupante

Por Wilson Lemes

É muito importante ter em mente que a efetividade clínica só será alcançada definitivamente quando todos começarem a pensar de uma mesma forma, olhando sempre para a importância da difícil equação entre qualidade e custos. É preciso alinhar os pensamentos e garantir que todos estejam unidos e remando no mesmo sentido, rumo a um mesmo objetivo.

Estudos recentes mostram que, a ineficácia dos cuidados é um fator de grande preocupação, pois se calcula que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico; aproximadamente 10% das ações embora mitiguem os problemas, acabam simultaneamente criando outros; e mais de 50% dos serviços são realizados sem evidências robustas.

Dentro deste contexto, o foco no cliente é algo muito importante. Garantir que ele tenha a melhor experiência e o cuidado mais adequado disponível é algo que tem se preconizado muito em modelos de gestões na área da saúde. Uma mudança nesse sentido, aos poucos começa a ser percebida: o médico deixa de ser o centro e vemos um empoderamento do paciente, que tende a ser cada vez mais instruído no que diz respeito à sua saúde e ao tipo de assistência que recebe. Porém, este é um ponto ainda a ser evoluído.

Esta ainda é uma realidade que não faz muito sentido, já que a maioria dos problemas acontece quando o médico não está por perto, além disso, ninguém está mais interessado no bem-estar do que o próprio indivíduo. E com a evolução da tecnologia foi possível começar essa mudança para engajá-los através da disponibilidade de informações como estado da saúde, sinais, sintomas, exames e medicações na nuvem. Além disso, portais do paciente facilitam os processos permitindo o agendamento de consultas e exames e retirada dos mesmos sem precisar ir até o hospital ou clínica, entre outros benefícios.

Educar pacientes e envolvê-los nos cuidados com sua própria saúde é tão crucial quanto engajar os profissionais e pode ser uma receita de sucesso na busca da efetividade clínica. É preciso embasar e padronizar as escolhas que estão sendo feitas, pois decisões aleatórias levam à variabilidade no atendimento e resultam em custos altos de assistência.

Existe uma grande diferença na forma como se presta os cuidados de saúde, dentro de um mesmo bairro e especialmente entre regiões, resultando em tratamentos muito heterogêneos. O maior desafio da medicina neste cenário é fazer um diagnóstico situacional a fim de entender por que pacientes semelhantes recebem cuidados tão diferentes e envolver o paciente no processo pode ajudar a diminuir esse problema.

A responsabilidade é muito grande por parte das organizações de saúde em encontrar as melhores soluções, aquelas que sejam capazes de assegurar que médicos e pacientes tenham acesso prévio a informações que os ajudem a embasar a sua escolha e aumentem assim as chances dela ser a mais adequada e bem sucedida, tanto do ponto de vista da saúde do paciente, como também para a instituição. Uma conduta correta e bem suportada por informações de qualidade e tecnologia de ponta diminui as chances de reincidência de internações, erros de prescrição de medicamentos, entre outros fatores que servem como uma catapulta para elevar os custos.

Wilson Lemes é Country Manager LATAM da Wolters Kluwer Helth, formado em Marketing, Negociação, Planejamento de Negócios, Dispositivos Médicos e Desenvolvimento de Negócios. O executivo acumula passagens por empresas como GE Healthcare, Nobel Biocare e O4B Consulting.

Saiba mais:

Gestão de enfermagem reduz erros e eventos adversos

I Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão na Saúde: sucesso de evento mostra que setor está em constante transformação

I Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão na Saúde consolida a prioridade de melhoria na gestão dos hospitais


6 de dezembro de 2018 | Atualizado dia 6 de dezembro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Medicina preventiva e a utilização de Práticas Integrativas

Prevenção e promoção da saúde fornecem melhor qualidade no atendimento e cuidado ao paciente Por Priscilla Martins* Devido às transformações…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de processos: inovação e tecnologia na condução de rotinas

A transformação no mercado da Saúde exige uma mudança no mindset das organizações, o que implica na gestão de processos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Elementos de qualidade para garantir uma boa jornada do paciente

Especialista explica como organizações de Saúde podem oferecer experiência positiva para usuário e familiares Por Editorial GesSaúde Medir a satisfação…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos