Voltar

A regulação da saúde e a incorporação de novas tecnologias

A regulação de qualquer tema demanda autoridade competente e acaba por se transformar em norma de influência geral

Por Agnaldo Bahia

A forma como a regulação é operada no Brasil leva a conclusão de que existe uma desarticulação na sociedade, em que muitas oportunidades são perdidas por esta razão. Foto: Pixabay

A utilização de novas tecnologias na saúde é um tema que desperta a atenção e o interesse de todos. Os pacientes vislumbram uma oportunidade de melhoria no seu tratamento, aumentando as suas chances de sucesso em casos de maior complexidade. Os médicos enxergam a possibilidade de utilizar estas ferramentas para tornar o seu serviço mais eficaz e eficiente. Os hospitais imaginam que a tecnologia poderá melhorar o seu resultado final, através da adoção de processos que tragam mais racionalidade e rentabilidade. Todas estas promessas, porém, podem esbarrar na forma como a regulação se dá atualmente na saúde.

A regulação de qualquer tema é, em última análise, uma decisão tomada por alguém. Uma autoridade competente decide de acordo com sua área de competência o que será ofertado ou observado pela população. Esta decisão, uma vez observados os procedimentos estabelecidos, se transforma em uma norma que influenciará a vida de todos os cidadãos. A Reforma Trabalhista, por exemplo, foi resultado da decisão tomada pelo Governo Federal de realizar tal reforma, apesar das dificuldades e oposições enfrentadas por este projeto.

Infelizmente, diversos temas que interessam a população são discutidos em ambientes fechados, sem que haja a participação efetiva das partes interessadas que terminam sem ter acesso a decisão e como ela foi tomada. É comum, também, que temas considerados cruciais por determinada parcela da população nunca entre em pauta para se tornar lei, pois não tem nenhuma autoridade disposta a encabeçar o debate e levar adiante o penoso processo de transformar os temas em lei. A forma como a regulação é operada e as decisões são construídas no Brasil leva a conclusão de que existe uma desarticulação na sociedade e que muitas oportunidades são perdidas por esta razão.

Esta discussão interessa demais aqueles que precisam ou defendem a adoção de novas tecnologias disponível para o segmento de saúde. Hoje, qualquer tecnologia para ser implantada pelo Sistema Único de Saúde deve passar pelo crivo da Vigilância Sanitária e pelo Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS. Esta Comissão possui um site bem estruturado e suas decisões são discutidas por integrantes legalmente designados, e existem consultas públicas abertas ao público. Há um espaço deste site destinado a publicizar a pauta e a ata da reunião.

A impressão de quem visita o site, porém, é de que o material disponibilizado não traduz realmente a importância do que é discutido e o conteúdo dos debates. Numa época onde as informações são disponibilizadas em grande quantidade e onde é possível fazer estas informações circular, parece que não há empenho em ampliar o debate ou municiar o cidadão com informações relevantes.   

A mesma crítica pode ser feita em relação a ANS – Agência Nacional de Saúde. Cabe a esta agência decidir qual é a cobertura por plano comercializado. A discussão, contudo, de como se dá a ampliação ou a restrição por parte do rol de cobertura de exames e procedimentos não fica realmente clara. Novamente, existem documentos que indicam a existência de discussão, mas a impressão é a mesma experimentada no caso do SUS: documentos que não condizem com a importância e a relevância dos assuntos debatidos.

A sociedade precisa entender a importância de uma articulação mais ampla e eficaz quando o assunto for a regulação e a incorporação de tecnologia na saúde. Parece claro que a forma e o conteúdo com que tais discussões são conduzidas não permitem uma discussão mais ampla e aprofundada, da mesma forma que permitem um debate mais concreta dos critérios que deveriam nortear este processo. Quanto mais rápido a sociedade se apropriar destes processos e compreender a importância da articulação para promoção deste debate, melhor será a apropriação destas tecnologias que poderão ser benéficas para todas as partes envolvidas.

Agnaldo Bahia é advogado especialista em Saúde, consultor, professor universitário e diretor jurídico da Associação dos Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB).

Saiba mais:

Surtos de doenças já erradicadas volta a preocupar hospitais

Custos assistenciais na Saúde Suplementar acendem alerta no setor

Como reduzir a incidência de erros médicos por medicação e os impactos financeiros

 


9 de agosto de 2018 | Atualizado dia 9 de agosto de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão de Pessoas

Gestão de pessoas: como engajar profissionais de Saúde para o uso da tecnologia

Papel do líder é fundamental; treinamentos e capacitações antes, durante e depois da implementação são indicados por editorial GesSaúde A…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Organizações de Saúde são as mais impactadas por nova lei de proteção de dados

Advogado constitucionalista detalha os cinco principais impactos da legislação para hospitais por editorial GesSaúde Aprovada pelo Senado Federal no dia…Leia mais.

Gestão de Pessoas

Por que fazemos as mesmas coisas sempre e por que não aceitamos as mudanças!

Gestão de Pessoas com maturidade de lideranças pode melhorar o rendimento das equipes em uma organização de Saúde Por Anderson Guimarães…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos