Voltar

A sinfonia desafinada da ANS

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Objetivo de normativa da agência era disciplinar a franquia e a coparticipação como elemento moderador do uso de planos de saúde

Por Agnaldo Bahia

Em 28 de junho de 2018, a Agência Nacional de Saúde (ANS) publicou a Resolução Normativa RN n.° 433/2018, cujo objetivo era dispor sobre os mecanismos financeiros de regulação como fatores moderadores da utilização de serviços de assistência médica, hospitalar e odontológica no setor de saúde suplementar. O objetivo final era disciplinar a franquia e a coparticipação como elemento moderador do uso do plano de saúde.

A partir desta publicação, o que se observou foi uma grande mobilização da sociedade contrária a esta norma e uma atuação completamente desafinada por parte da ANS que, mais uma vez, perdeu a oportunidade de ser firmar como uma instituição capaz de moderar e intermediar as relações jurídicas na saúde suplementar. A sociedade reagiu mal a Resolução Normativa da ANS e coube a OAB – Ordem dos Advogados do Brasil o papel de contestar a Agência de Saúde na Justiça em ação movida perante o Supremo Tribunal Federal.

A OAB usou dois argumentos que sensibilizaram o STF que, por sua vez, deferiu a liminar suspendendo a RN n.° 433/2018. O primeiro argumento da OAB colocou em cheque a competência da ANS para legislar a respeito da franquia e coparticipação. Segundo o entendimento da Ordem dos Advogados, a ANS seria incompetente para inovar nesta matéria, uma vez que, segundo este entendimento, a Lei que criou a referida agência não permitia que esta tratasse destes assuntos. O segundo argumento, também muito potente, indicou que o percentual estabelecido na RN para a franquia e coparticipação feriria as práticas de mercado, afrontando o Código de Defesa do Consumidor.

Embora os dois argumentos tenham força e deixem uma discussão acirrada no ar, foi o primeiro que mereceu maior atenção de quem trabalha na Saúde Suplementar. Ao questionar diretamente a competência da ANS, a OAB deixou uma questão no ar: qual é de fato a competência da Agência Nacional de Saúde? Esta é uma discussão importante, pois o mercado de saúde suplementar tem uma representatividade muito grande e é responsável por uma grande parcela do PIB brasileiro.

Cabia a ANS enfrentar esta discussão, até para impedir que toda decisão tomada não venha a ser questionada. Ao invés de defender a sua posição, a ANS decidiu revogar a Resolução Normativa RN n.° 433/2018 através de decisão de sua Diretoria Colegiada. Antes de tomar esta decisão, porém, o Diretor de Desenvolvimento Setorial da Agência Nacional de Saúde ainda encontrou tempo para declarar que a Agência não era um órgão de defesa do consumidor. Embora estas declarações estejam num contexto mais amplo, o fato é que as manchetes de diversos meios de comunicação deram ênfase a percepção da sociedade de que a ANS defende interesses que não são, certamente, os dos consumidores.

Seja por não ter enfrentado com firmeza o questionamento trazido pela OAB em relação a sua competência, seja pela dificuldade de se comunicar com a sociedade, antes e depois da crise instaurada, a percepção deixada pela Agência é muito negativa. A ANS não foi capaz de discutir com clareza a sua posição, deixando a sociedade insegura em relação aos seus objetivos ao promulgar a Resolução Normativa RN n.° 433/2018 e, uma vez instaurado o problema, decidiu fugir da briga, deixando uma mensagem clara para as instituições: se questionarem, a tendência é que a ANS venha a ceder. Em suma, uma postura incompatível com o segmento que esta instituição deveria regular.

Agnaldo Bahia é advogado especialista em Saúde, consultor, professor universitário e diretor jurídico da Associação dos Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB).

Saiba mais:

Fôlego para as filantrópicas: momento de repensar a estratégia 

Os desafios do envelhecimento da população para o hospital

Gestão de Pessoas: como engajar profissionais de Saúde para o uso da tecnologia

    


30 de agosto de 2018 | Atualizado dia 22 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Value-based Healthcare: estratégia para melhorar a qualidade e reduzir os custos

Conceito otimiza a gestão hospitalar fornecendo valor nos serviços de Saúde e ampliando a experiência do cliente Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Resultado e profissionalização da gestão, este é o nome do jogo na Saúde

É o momento de os hospitais avançarem na profissionalização dos processos de gestão para enfrentar as transformações que estão ocorrendo…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Telemedicina ganha novas aplicações na Saúde Pública

Especialista ressalta que o uso da tecnologia e a comunicação virtual já são usados em diversos países Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos