Voltar

Assistência à saúde e não à doença: novo modelo de operação que está mudando o setor

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Gestores de hospitais e operadoras de Saúde devem compreender que o benefício da prevenção se estende à organização e também ao paciente

Por Priscilla Martins

Tratar doenças e minimizar sintomas são atividades que muitos hospitais em diversos países compreendem que são atenções necessárias, porém, já perceberam a importância da prevenção em saúde, que também serve como forma de captar os clientes em potencial e fidelizá-los ao serviço ou a rede hospitalar. Isso porque o modelo de sistema de assistência preventiva, no qual o paciente é acompanhado e monitorado regularmente, além de ser educado a cuidar da própria saúde, apresenta resultados positivos de forma horizontal: ao detalhar todas as informações do paciente, como histórico médico, familiar, bem como modo de vida, o hospital consegue trabalhar com ações de prevenção a possíveis patologias.

Trata-se de um modelo em que o pronto atendimento demanda menos trabalho visto que os pacientes acessam o serviço por meio de uma rede interdisciplinar e não apenas em situações agudizadas. Esse tipo de acompanhamento de prevenção à saúde concede à instituição maior poder de captação de clientes e se torne referência no atendimento e consequentemente em prevenção. Para se construir um sistema efetivamente de saúde, é necessário que as organizações compreendam os benefícios de prevenir os problemas e garantir a proximidade com o paciente. Nesse sentido, o prontuário eletrônico se torna uma potente ferramenta, desde que os gestores qualifiquem todos os profissionais envolvidos na operação da plataforma. Quanto maior a riqueza de detalhes sobre o perfil do paciente, maior são as chances de oferecer ações de prevenção e até mesmo diagnósticos mais precisos e antecipados.

É uma mudança não apenas gestorial, mas também cultural. Os gestores têm de saber todos os benefícios de orientar o paciente, fornecer centros de referência de prevenção, sem detrimento do tratamento direcionado para doenças já em evolução.E em casos de pacientes já internados, a utilização de planos terapêuticos/alta interdisciplinares poderão ser utilizados como aporte para a acompanhamento deste paciente/cliente nos serviços de promoção e prevenção.

Em questão de negócio, o paciente deve ser encarado como cliente. É dele que parte a primeira avaliação sobre o trabalho da instituição. O cliente tem de ser o centro do negócio em todos os níveis de atenção à saúde .

Com uma base de informações ampla e fidedigna sobre as condições do paciente, e a criação do elo entre paciente e o sistema da organização de Saúde, é possível oferecer ações que promovam a qualidade de saúde com trabalhos de conscientização dos pacientes sobre a necessidade de dietas com qualidade e melhor valor nutricional, mudanças de maus hábitos como o tabagismo, controle para doenças silenciosas como diabetes e hipertensão por exemplo, realização regular de exercícios respeitando as condições de cada cliente. Faz-se necessário então montar núcleos de atenção preventiva, campanhas de conscientização, além de uma série de ações que garantem não apenas que o paciente esteja cada vez mais próximo do hospital, mas que também garantam qualidade de vida e uma assistência eficaz.

De acordo com o Ministério da Saúde, são registrados mais de 300 mil óbitos por ano provocados por problemas cardíacos. E, ainda de acordo com o órgão oficial, parte dessas mortes tem como culpa a necessidade de mudanças de hábitos. Agora, é preciso que os gestores se questionem: o que é mais saudável para o negócio e o paciente, tratar doenças em estágio avançado, oferecendo qualidade de vida reduzida, ou conquistar o cliente e agregá-lo à nova forma de lidar com a saúde?

Priscilla Martins é enfermeira, especialista na área assistencial e consultora da GesSaúde. É classificadora de risco pelo protocolo de Manchester; especialista em enfermagem com ênfase em nefrologia e pós graduada em Gerenciamento de projetos.

Saiba mais:

I Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão na Saúde será em dezembro

Da fragmentação à união: o papel do hospital na construção de um novo sistema de saúde

O papel do líder na elaboração do planejamento anual

Foto: Freepick


4 de outubro de 2018 | Atualizado dia 15 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Medicina preventiva e a utilização de Práticas Integrativas

Prevenção e promoção da saúde fornecem melhor qualidade no atendimento e cuidado ao paciente Por Priscilla Martins* Devido às transformações…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de processos: inovação e tecnologia na condução de rotinas

A transformação no mercado da Saúde exige uma mudança no mindset das organizações, o que implica na gestão de processos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Elementos de qualidade para garantir uma boa jornada do paciente

Especialista explica como organizações de Saúde podem oferecer experiência positiva para usuário e familiares Por Editorial GesSaúde Medir a satisfação…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos