Voltar

Café & Gestão SP: O desafio na formação de novos médicos

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Docente de medicina apresenta os pilares da educação para profissionais do futuro e o papel da tecnologia nesse processo

Por Editorial GesSaúde

Os pilares da formação do médico na era da Saúde 4.0 e o impacto das mudanças para a gestão dos hospitais são temas do Café & Gestão do próximo dia 28, em São Paulo. O convidado é Fernando Teles de Arruda, médico e coordenador do curso de medicina do campus São Paulo da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). O especialista divide a mesa com Roberto Gordilho, CEO da GesSaúde, que vai falar sobre a transformação da Saúde e gestão sob a ótica da revolução 4.0.

Exatamente por conta dessa transformação, é preciso mudar a formação acadêmica dos médicos, conforme Arruda. O palestrante explica que, ao longo dos anos, diversas organizações de Saúde eram geridas de forma menos eficiente que o potencial, pois possuíam na alta gestão profissionais com formação única em medicina, voltando a operação do negócio exclusivamente para a assistência. “Os preceptores, os docentes, eram bons clínicos do ponto de vista assistencial, mas não tinham nenhum preparo ou muito pouco do ponto de vista de pedagógico e de gestão. Da mesma forma que para fazer gestão são necessárias competências específicas, para ser docente também são exigidos conhecimentos específicos que a faculdade de medicina não ensina. Conhecimentos pedagógicos, andragógicos, teoria educacional, processos, objetivos e ferramentas de avaliação não são natos da profissão médica”, explica o especialista.

Com a academia voltada apenas para a assistência, os profissionais com esse preparo adquirem conhecimentos de gestão somente ao longo da prática no mercado. Porém, com a velocidade atual das mudanças, o impacto da tecnologia e o novo perfil dos pacientes, esse preparo tem de ser feito durante a graduação. “O perfil de um médico docente é de ser educador. Trabalhar com as novas tecnologias é fácil após adquirir esses preceitos, pois se parte do pressuposto que o aluno tem de saber como aprender. Que ele deve desenvolver práticas e expertise para sua realização profissional. E o professor é apenas um mediador desse processo, não é um indutor e nem um formador de opinião”, reforçou o médico.

Pilares da educação

De acordo com Arruda, o modelo de graduação que concebe médicos atualizados e capazes de se adaptarem às transformações do setor deve seguir três pilares: educação, gestão e assistência. “Durante anos tratamos os médicos como profissionais da assistência. Isso mudou. Tem de haver equilíbrio nessas três áreas, permitindo que o profissional atue em diversos departamentos dentro do hospital”, comentou. Os aspectos para a formação do médico moderno são:

  • Assistência: profissional que segue condutas baseadas em evidências do ponto de vista da ética e da moral. As melhores práticas são baseadas nos melhores estudos.
  • Gestão: deve saber administrar baseado nas melhores práticas de gestão. Deve possuir perfil de liderança, capacidade de trabalhar em equipe, gerenciar processos, pensar soluções individuais e coletivas.
  • Educação: ter capacidade de orientar o paciente e torná-lo corresponsável pelo tratamento, falar de forma clara e objetiva; um profissional que ensina e produz conhecimento.

Ainda conforme o docente, esses pilares devem ser avaliados por meio dos seguintes aspectos: conhecimento, habilidades e atitudes sob a ótica das três grandes áreas.

Estes temas serão discutidos no Café & Gestão que acontecerá dia 28/03 em São Paulo, um evento voltado para médicos, profissionais de Saúde, gestores e lideranças de organizações que desejam se atualizar sobre a transformação que a revolução 4.0 está trazendo para Saúde. Para participar e ter mais informações, basta acessar a página do Café & Gestão.

Saiba mais:

Gestão de pessoas: o perfil do líder para engajar as equipes

Como ajustar o modelo de negócio para tornar a instituição independente de seus sócios

Harmonização das bases da informação: a chave para reduzir a variabilidade do cuidado


19 de março de 2019 | Atualizado dia 12 de março de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Campanha de Segurança do Paciente: atenção às práticas de cuidado

O mais importante é saber como agir nas diversas áreas da organização para efetivar uma assistência segura Por Priscilla Martins*…Leia mais.

Gestão Hospitalar

5 estratégias de Gestão de Saúde Populacional para hospitais

Especialistas explicam a importância da GSP e os benefícios tanto para a instituição como para pacientes Por Editorial GesSaúde A…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Cobertura 5G vai elevar a Saúde para uma nova era

Especialistas explicam, contudo, que organizações de Saúde não estão preparadas para a ultravelocidade Por Editorial GesSaúde Estados Unidos e Coréia…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos