Voltar

Café & Gestão SP: O desafio na formação de novos médicos

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Docente de medicina apresenta os pilares da educação para profissionais do futuro e o papel da tecnologia nesse processo

Por Editorial GesSaúde

Os pilares da formação do médico na era da Saúde 4.0 e o impacto das mudanças para a gestão dos hospitais são temas do Café & Gestão do próximo dia 28, em São Paulo. O convidado é Fernando Teles de Arruda, médico e coordenador do curso de medicina do campus São Paulo da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). O especialista divide a mesa com Roberto Gordilho, CEO da GesSaúde, que vai falar sobre a transformação da Saúde e gestão sob a ótica da revolução 4.0.

Exatamente por conta dessa transformação, é preciso mudar a formação acadêmica dos médicos, conforme Arruda. O palestrante explica que, ao longo dos anos, diversas organizações de Saúde eram geridas de forma menos eficiente que o potencial, pois possuíam na alta gestão profissionais com formação única em medicina, voltando a operação do negócio exclusivamente para a assistência. “Os preceptores, os docentes, eram bons clínicos do ponto de vista assistencial, mas não tinham nenhum preparo ou muito pouco do ponto de vista de pedagógico e de gestão. Da mesma forma que para fazer gestão são necessárias competências específicas, para ser docente também são exigidos conhecimentos específicos que a faculdade de medicina não ensina. Conhecimentos pedagógicos, andragógicos, teoria educacional, processos, objetivos e ferramentas de avaliação não são natos da profissão médica”, explica o especialista.

Com a academia voltada apenas para a assistência, os profissionais com esse preparo adquirem conhecimentos de gestão somente ao longo da prática no mercado. Porém, com a velocidade atual das mudanças, o impacto da tecnologia e o novo perfil dos pacientes, esse preparo tem de ser feito durante a graduação. “O perfil de um médico docente é de ser educador. Trabalhar com as novas tecnologias é fácil após adquirir esses preceitos, pois se parte do pressuposto que o aluno tem de saber como aprender. Que ele deve desenvolver práticas e expertise para sua realização profissional. E o professor é apenas um mediador desse processo, não é um indutor e nem um formador de opinião”, reforçou o médico.

Pilares da educação

De acordo com Arruda, o modelo de graduação que concebe médicos atualizados e capazes de se adaptarem às transformações do setor deve seguir três pilares: educação, gestão e assistência. “Durante anos tratamos os médicos como profissionais da assistência. Isso mudou. Tem de haver equilíbrio nessas três áreas, permitindo que o profissional atue em diversos departamentos dentro do hospital”, comentou. Os aspectos para a formação do médico moderno são:

  • Assistência: profissional que segue condutas baseadas em evidências do ponto de vista da ética e da moral. As melhores práticas são baseadas nos melhores estudos.
  • Gestão: deve saber administrar baseado nas melhores práticas de gestão. Deve possuir perfil de liderança, capacidade de trabalhar em equipe, gerenciar processos, pensar soluções individuais e coletivas.
  • Educação: ter capacidade de orientar o paciente e torná-lo corresponsável pelo tratamento, falar de forma clara e objetiva; um profissional que ensina e produz conhecimento.

Ainda conforme o docente, esses pilares devem ser avaliados por meio dos seguintes aspectos: conhecimento, habilidades e atitudes sob a ótica das três grandes áreas.

Estes temas serão discutidos no Café & Gestão que acontecerá dia 28/03 em São Paulo, um evento voltado para médicos, profissionais de Saúde, gestores e lideranças de organizações que desejam se atualizar sobre a transformação que a revolução 4.0 está trazendo para Saúde. Para participar e ter mais informações, basta acessar a página do Café & Gestão.

Saiba mais:

Gestão de pessoas: o perfil do líder para engajar as equipes

Como ajustar o modelo de negócio para tornar a instituição independente de seus sócios

Harmonização das bases da informação: a chave para reduzir a variabilidade do cuidado


19 de março de 2019 | Atualizado dia 12 de março de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Medicina preventiva e a utilização de Práticas Integrativas

Prevenção e promoção da saúde fornecem melhor qualidade no atendimento e cuidado ao paciente Por Priscilla Martins* Devido às transformações…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de processos: inovação e tecnologia na condução de rotinas

A transformação no mercado da Saúde exige uma mudança no mindset das organizações, o que implica na gestão de processos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Elementos de qualidade para garantir uma boa jornada do paciente

Especialista explica como organizações de Saúde podem oferecer experiência positiva para usuário e familiares Por Editorial GesSaúde Medir a satisfação…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos