Voltar

Desafios da Saúde: transformação digital não acontece sem maturidade de gestão

Com a informatização, hospitais têm ganho financeiro e atendimento mais ágil; para mudar, porém, é preciso aliar processos e pessoas à inovação

por editorial GesSaúde

Com a transformação digital, instituições de Saúde do mundo todo estão automatizando processos e adotando tecnologias. Segundo um estudo realizado pela McKinsey & Company, esse cenário é reflexo da mudança de perfil do cidadão: mais de 75% deles esperam utilizar serviços digitais do setor no futuro. A pesquisa mostra, ainda, que hospitais conectados são 50% mais propensos a aumentar a participação no mercado e elevar as margens de lucro em comparação aos concorrentes sem acesso à tecnologia.

Segundo Paulo Marcos Souza, conselheiro do Instituto Latino Americano de Gestão de Saúde (Inlags) e ex-presidente da Aliança para Saúde Populacional (Asap), a transformação digital beneficia, principalmente, quatro aspectos do hospital: gestão, integração de sistemas, avaliação das instituições e pagamento. “O sistema de Saúde atual é desintegrado e as informações estão dispersas. A tecnologia ajuda a reunir esses dados e permite que as avaliações sejam mais assertivas e aprofundadas”.  

Os modelos de pagamentos também podem ser mais precisos,  reduzindo glosas. “Hoje, a remuneração é baseada em quantidade. Com a tecnologia, as instituições conseguem adotar um modelo em que o cidadão ganha com bons resultados e as informações geradas servem de insights  para a melhoria da instituição”.

Essas mudanças favorecem o acompanhamento em tempo real e atendimento personalizado dos pacientes. “Por meio da tecnologia, os hospitais têm facilidade para acessar a base de dados e os históricos. Assim, o médico pode compartilhar essas informações com outros colegas, monitorando os quadros clínicos”, ressalta Souza.

Os profissionais de Saúde contam com ferramentas digitais para auxiliar a gestão financeira e também o atendimento, tornando-o mais ágil, seguro e baseado em informações em tempo real – entre elas o prontuário eletrônico do paciente (PEP), checagem à beira leito, big data, internet das coisas e telemedicina. Segundo Fernando Teles de Arruda, coordenador adjunto do curso de Medicina da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), a adoção dessas tecnologias muda significativamente as duas grandes áreas do hospital:

  • Backoffice: software de big data e analytics tornam os processos de gestão e recursos humanos mais enxutos, alinhados com informações registradas em tempo real. “A maioria das instituições ainda usa pouco os sistemas de gestão hospitalar, em média 35% da capacidade”, ressalta Arruda. Com eles o processamento de dados se torna mais rápido. As equipes de RH conseguem acompanhar o desempenho dos profissionais e a área de finanças organiza melhor o controle de gastos.
  • Assistencial: elementos digitais possibilitam que os profissionais acompanhem toda a jornada do cidadão: a entrada no hospital, internação, uso de medicamentos, alta e monitoramento. “Todos os passos dele são monitorados e passam pelos centros de custo e operação. Se ele entrou na emergência, o sistema de gestão registra. Se o médico prescreve um medicamento, a farmácia revisa o pedido e ele também é registrado. A segurança é muito maior”, explica Arruda.

Maturidade de gestão

Os especialistas lembram que a transformação digital vai muito além do investimento em tecnologia. É preciso redesenhar os processos internos da instituição para, assim, saber de que forma a inovação pode contribuir para otimizar cada atividade. “Hoje, é impossível falar em digitalização sem o amadurecimento do hospital. Muitas vezes, a instituição acaba fazendo o caminho inverso: monta uma grande estrutura tecnológica e só depois pensa na maturidade”, ressalta Arruda.

A certificação da Sociedade de Informação em Saúde e Sistemas de Gestão (Healthcare Information and Management Systems Society – HIMSS) é um exemplo de como a maturidade de gestão e a tecnologia precisam caminhar juntas no hospital. Ela funciona de maneira similar a qualquer acreditação hospitalar, com a diferença de avaliar se os processos assistenciais estão, de fato, apoiados e automatizados por sistemas e tecnologias digitais. Mas, antes de mais nada, é preciso que o hospital tenha seus processos mapeados e desenhados, a fim de identificar de que forma a tecnologia pode auxiliar na execução das atividades.

Essa tarefa é tão complexa que, no Brasil,  apenas três organizações conquistaram o Estágio 7 da HIMSS e receberam o título de hospital digital. “O Brasil tem cerca de 6 mil hospitais. É preciso preparo para se transformar digitalmente”, ressalta Souza.

O primeiro passo é avaliar onde a instituição está em termos de maturidade e aonde quer chegar com a digitalização. A partir daí, identificar os gargalos e focar na solução de problemas que atrasam esse processo. É importante também revisar as práticas e os sistemas usados. “Hoje em dia, um leito fica desocupado por horas por falta de monitoramento e planejamento. Antes de pensar em tecnologias revolucionárias, é importante alinhar os processos e fazer com que as áreas conversem entre si”, explica Souza. Já a gestão do estoque de farmácias também deve ser revista. Sem ela, hospitais investem em medicamentos que se perdem por vencimento, elevando os índices de desperdício, entre outros problemas.

A mudança de cultura e a capacitação de pessoas são tão importantes quanto o aprimoramento de processos. “Não adianta ter um bom sistema se os profissionais não souberem usar a informação de forma correta e estruturada”, ressalta Souza. Médicos, enfermeiros e demais profissionais que atuam no hospital precisam entender essa nova fase e receber a capacitação necessária para que, por exemplo, preencham corretamente os prontuários e deixem de lado a cultura do papel e caneta.

 

Saiba mais:

Desafios da Saúde: a adoção de novos modelos de remuneração

Prepare-se hoje para a tempestade perfeita na Saúde e sobreviva amanhã

Avanço das tecnologias de gestão exige novo perfil do CIO

Foto: Depositphotos


19 de Abril de 2018 | Atualizado dia 30 de Abril de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos