Voltar

Em oito anos fecharam quase 1.800 hospitais no Brasil. Por que os hospitais estão morrendo?

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Dossiê apresenta o atual panorama do setor com informações atualizadas e que mostram cenário desafiador para as organizações de Saúde

Por Editorial GesSaúde

Dossiê apresenta o atual panorama do setor com informações atualizadas. Foto: Pixabay

Você sabia que 1.797 hospitais privados fecharam no Brasil nos últimos oito anos? No período entre 2010 e 2018, o País perdeu total de 31,4 mil leitos. Os dados do relatório “Cenário dos Hospitais no Brasil 2018”, da Federação Brasileira de Hospitais (FBH) em parceria com a Confederação Nacional de Saúde (CNS), são uma pequena amostra do tamanho do desafio dos gestores de Saúde. E o fechamento dessas organizações tem impactado justamente aqueles que mais dependem dela: os pacientes.

Saiba mais sobre esse cenário baixando gratuitamente o dossiê “Desafios da Saúde: por que os hospitais morrem?

Com quase 7 mil organizações de Saúde, entre particulares, filantrópicas e públicas, e mais de 490 mil leitos, o setor hospitalar do Brasil concentra uma gama variada de especialidades médicas, experiências gerenciais diversificadas, além de movimentar uma fatia importante do mercado nacional – dos R$ 6,5 trilhões do PIB (Produto Interno Bruto), 9% são movimentados pela Saúde. Contudo, essas características destoam da realidade quando comparadas com os números de instituições que tiveram suas operações encerradas por falência.

Para se ter uma ideia, enquanto o SUS (Sistema Único de Saúde) ganhou 343 instituições, a Saúde Suplementar perdeu em torno de 260 hospitais entre 2007 e 2012, o equivalente a quase um hospital encerrando as atividades por semana. À medida que os insumos e serviços encarecem, os valores são diretamente repassados para o paciente, que deve ser visto também como cliente. E com o fechamento de organizações de Saúde, filantrópicas ou privadas, o impacto recai diretamente no sistema público.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a média de densidade de leitos no mundo chega a 3,2 para cada 1 mil habitantes. No Brasil, contudo, o número ainda está bem abaixo do recomendado: em 2018 a taxa registrada foi de 1,96 leitos por 1 mil habitante. Estimativa feita pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta que cerca de 900 mil procedimentos cirúrgicos aguardam realização pelo SUS, já diagnosticados e com indicação médica – demora que impacta diretamente sobre o paciente.

Este dossiê é o resultado de uma pesquisa sobre a situação atual dos hospitais no Brasil onde entrevistamos diversos especialistas para traçar um cenário para entender porque tantos hospitais estão morrendo.

Esses e outros números sobre o setor você encontra no dossiê. Para saber as causas que tem levado os hospitais ao fechamento e como reverter esse quadro:

Baixe agora o Dossiê “Desafios da Saúde: Por que os Hospitais Morrem?”


31 de julho de 2018 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Estratégia Empresarial

De quem é a culpa da superlotação dos serviços de urgência e emergência?

É possível notar que esse é um problema relacionado ao gerenciamento precário dos leitos e uma das formas de melhorar…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Santa Casa da Bahia melhora processos com a implantação do Lean Healthcare

Processo de evolução será apresentado no I Congresso de Maturidade de Gestão em Saúde Por Editorial GesSaúde O Hospital Santa…Leia mais.

Editorial GesSaúde

Do papel ao digital: por que agregar inteligência nas receitas de medicamentos pode melhorar a qualidade no atendimento hospitalar

Anuário aponta que, em 2017, eventos adversos graves foram responsáveis por mais de 54 mil mortes em todo o sistema…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos