Voltar

Eventos Adversos e como tratar estas informações

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Envolver colaboradores na investigação de erros pode auxiliar no engajamento da equipe

Por Priscilla Martins*

Para conseguir estudar os Eventos Adversos (EAs) que ocorrem em uma instituição de Saúde, um dos fatores importantes é que a gestão garanta a disseminação da cultura de segurança do paciente. Esse fator é importante pois, através desta cultura todos os profissionais envolvidos na experiência do paciente terão conhecimento da importância da notificação e da investigação dos fatos que favoreceram o acontecimento de eventos adversos.

É importante deixar claro que o intuito na investigação das ocorrências não é o direcionamento dos culpados e a realização de medidas punitivas, mas sim a realização da elucidação dos eventos para que sejam propostas medidas para agregar valor no cuidado aos pacientes e evitar erros futuros. Nas investigações dos EAs é necessário avaliar todos os fatores que contribuíram para sua ocorrência:

  • Humanos: componentes dos profissionais, paciente e doença;
  • Operativos:  o ambiente de trabalho e os recursos disponíveis;
  • Externos: são aqueles que não estão sob o controle da instituição, como legislações vigentes.

Após a notificação de um EA, existem barreiras que impedem que o processo de verificação e manejo dos eventos adversos ocorra. Dentre elas podemos destacar:

  • Disponibilidade reduzida de tempo e equipe para realizar as investigações de maneira adequada;
  • Tempo excessivo entre o evento e a investigação;
  • Falta de informação disponível e de fácil acesso;
  • Falta de cultura de segurança;
  • Não elaboração e instituição de planos de ação.

Para remediar estas barreiras o hospital deve selecionar como foco de investigação os eventos adversos que acontecem com maior frequência, assim como os eventos adversos graves. É preciso ressaltar que as organizações de Saúde do País não são 100% informatizadas. Por exemplo, não contam com prontuários eletrônicos e em algumas situações podem acontecer extravios de documentos ou ilegibilidade dos registros. Portanto, o processo de investigação deve ser iniciado o mais próximo possível da ocorrência para que, caso seja necessária uma avaliação in loco, as informações estejam frescas na memória dos envolvidos na assistência.

Essa etapa de avaliação é uma medida positiva pois, em conjunto com a cultura de segurança estabelecida na instituição, permite que os participantes sintam-se empoderados de sua importância também no processo de análise dos eventos. Colaboradores que fazem parte da cultura de segurança e auxiliam no processo de investigação tornam-se mais conscientes e engajados nas suas percepções do dia a dia, influenciam positivamente outros colaboradores e não sub notificam os eventos adversos.

A equipe deve possuir algumas características que irão contribuir para o sucesso da avaliação dos EAs como:

  • Mente curiosa e instigada a descobrir os fatos;
  • Estímulo por buscar os dados e realizar a investigação;
  • Não possuir preguiça para avaliar os dados;
  • Buscar por gatilhos que direcionem o start das investigações

Investigar e tratar as causas

Iniciado o processo de investigação é necessário levantar os dados, analisar e buscar referências bibliográficas sobre o tema, para melhor assertividade da análise que terá um embasamento teórico e não será realizada empiricamente. Também é necessário verificar a existência dos processos e protocolos institucionais que envolvem a atividade em que o evento adverso ocorreu.

É importante que a equipe dê continuidade ao trabalho e além de investigar as causas dos erros e elucidar os fatos, elaborem medidas de correção e planos de ação que deverão ser aplicados e acompanhados. Para facilitar a adoção de medidas propostas, devem ser priorizadas aquelas que irão gerar mais impacto com um menor custo financeiro.

Near Miss

Eventos adversos poderão ser evitados com a adoção das medidas de qualidade da assistência e segurança do paciente. Pensando nisto, alguns hospitais que já possuem o processo de verificação dos eventos adversos bem estruturado e funcionante, trabalham com a notificação do Near Miss – literalmente conhecidos como os “quase erros”. Trabalhando com o Near Miss é possível discutir com equipes e melhorar ainda mais o processo de segurança do paciente, para que não aconteçam novos tipos de eventos adversos, evitando assim o consequente aumento dos custos, o tempo de permanência e mortalidade institucional.

*Priscilla Martins é enfermeira, especialista na área assistencial e consultora da GesSaúde. É classificadora de risco pelo protocolo de Manchester; especialista em enfermagem com ênfase em nefrologia e pós graduada em Gerenciamento de projetos.

Saiba mais:

Pilares da governança na gestão hospitalar

Departamento financeiro: controles para evitar o vermelho

Como as evidências apoiam as farmácias clínicas e trazem segurança na prescrição de medicamentos


9 de abril de 2019 | Atualizado dia 20 de abril de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Medicina preventiva e a utilização de Práticas Integrativas

Prevenção e promoção da saúde fornecem melhor qualidade no atendimento e cuidado ao paciente Por Priscilla Martins* Devido às transformações…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de processos: inovação e tecnologia na condução de rotinas

A transformação no mercado da Saúde exige uma mudança no mindset das organizações, o que implica na gestão de processos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Elementos de qualidade para garantir uma boa jornada do paciente

Especialista explica como organizações de Saúde podem oferecer experiência positiva para usuário e familiares Por Editorial GesSaúde Medir a satisfação…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos