Voltar

Faturamento hospitalar: um departamento ou um processo?

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Principal fonte dos recursos deve operar de forma inteligente para garantir o equilíbrio entre qualidade do atendimento e resultados

por editorial GesSaúde

Pagar contas, ampliar investimentos, aumentar infraestrutura, apoiar novas parcerias e manter o funcionamento orgânico do hospital demandam capital. Embora em organizações de Saúde exista a tendência de se olhar mais para a qualidade do atendimento ao paciente que para os resultados, o faturamento é a principal fonte dos recursos e deve ser visto como o responsável por manter o equilíbrio entre a assistência assertiva e o retorno financeiro.

Otimizar a receita no hospital depende do entendimento sobre as duas visões do faturamento: a departamental e a processual.

  • Visão departamental: refere-se à área da organização que cuida do processamento das contas e envio para o Sistema Único de Saúde (SUS) ou operadoras de Saúde. Em geral, é passiva e espera que as contas cheguem para iniciar os trabalhos de auditoria, processamento e remessa. Enxergar o faturamento como uma área reduz muito as possibilidades de melhorias de processo.
  • Visão processual: o faturamento encarado não apenas como um departamento, mas como um processo, extrapola as responsabilidades para todas as áreas do negócio, envolve múltiplos líderes e colaboradores e leva em consideração tudo o que entra e sai da organização. Tem início no comercial e termina na contabilidade, após o processamento de todo o ciclo, inclusive recursos de glosas e repasse médico. Permeia todas as áreas do hospital.

Benefícios do processo

A criação de uma estrutura digital com integração de todo o processo hospitalar possibilita um melhor entendimento e acompanhamento das etapas do faturamento e responsabiliza a todos, cada um contribuindo de uma forma diferente, para que o ciclo seja sustentável.

Por exemplo: muitas vezes as contas ficam paradas por problemas no preenchimento das guias ainda na recepção; falta de laudos nos prontuários; ausência de justificativas médicas para determinados procedimentos; esquecimento de lançar procedimentos ou itens consumidos na conta do paciente. Tudo isso favorece a ocorrência das glosas – inconsistências em relação à cobrança de procedimentos – uma das principais preocupações dos hospitais na atualidade. Manter a qualidade do atendimento ao paciente diante de recursos limitados se torna um desafio, já que essas situações podem comprometer os resultados.

Adotar a visão de faturamento como processo torna possível acompanhar cada fase do atendimento com foco, além da melhoria e segurança do paciente, na geração de informações. Esses dados  proporcionarão à instituição gerar a conta e realizar o envio e a cobrança ao SUS ou convênio com muito mais eficiência, o que refletirá diretamente na redução do ciclo da receita e no fluxo de caixa do hospital.

Saiba mais:

Como o gerenciamento de processos impacta na eficiência do hospital

Gerenciamento de processos em hospitais na era da transformação digital

Mapeamento de processos: primeiro passo para aumentar a qualidade do atendimento

Foto: Depositphotos


25 de janeiro de 2018 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Gestão da fila nos serviços de Saúde

Redesenhar as linhas de cuidado para reduzir as expectativas requer investimentos em sistemas e redes de atenção à Saúde bem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão da qualidade e segurança dos clientes

Entidades governamentais estão cada vez mais preocupadas com a segurança dos usuários, porém, ainda falta muito para as organizações chegarem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos