Voltar

Filantrópicas: verba do governo federal pode ser usada para melhorar a gestão

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Linhas de crédito de R$ 4,5 bilhões permitem investimentos com foco em programas de otimização da gestão hospitalar e governança, como o PROAMA

Por Editorial GesSaúde

Diante do cenário de transformação por que passa a Saúde no Brasil as Santas Casas e hospitais filantrópicos estão vivenciando um momento em que nunca foi tão necessário melhorar e modernizar a gestão e operação. Para este fim estão disponíveis dois programas de financiamento, sendo um deles lançado nesta semana, o Caixa Hospitais FGTS com R$ 3,5 bilhões disponíveis. A outra frente de investimentos, o BNDES Saúde, disponibiliza uma linha de crédito de R$ 1 bilhão e permite investimentos em implementação de melhorias de gestão, governança e eficiência operacional e também para implantação, ampliação e modernização das instituições. 

O primeiro crédito é disponibilizado pela Caixa Econômica Federal através do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Para ter acesso, as Santas Casas e outras entidades filantrópicas precisam estar contratualizadas com o Sistema Único de Saúde (SUS) ou atuar de forma complementar à rede de atenção à saúde pública por um período mínimo de 12 meses consecutivos. 

A outra linha de crédito, aberta há um mês, pode ser solicitada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou por meio de um agente financeiro. Além disso, para ambos os benefícios, as filantrópicas devem estar em dias com duas importantes documentações:

  • Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), emitido pelo órgão oficial federal competente, vigente e validado junto ao referido órgão na data da aprovação da operação pelo BNDES; 
  • Registro atualizado no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde – CNES. 

A vantagem é que as instituições podem usar o recurso para contratar consultorias e empresas especializadas em melhorias dos processos de gestão. Essa é, inclusive, uma das exigências da fiscalização pelo BNDES. “A instituição filantrópica deverá apresentar diagnóstico institucional de seus processos internos de gestão, planejamento e operação, bem como um plano de ação para aprimorá-los e melhorar o seu desempenho, realizado por empresa ou instituição externa qualificada para tal”, informa o banco. 

PROAMA

O momento é oportuno para que as Santas Casas e outras filantrópicas otimizem a operação, aumentem a eficiência, atualizem seus processos de gestão e, em muitos casos, saiam do vermelho. Como são essenciais no atendimento às demandas do Sistema Único de Saúde (SUS), essas instituições podem agora financiar programas de melhorias na gestão para aumentar os resultados. Por outro lado, um grande desafio dentro do BNDES Saúde é conseguir alcançar estes resultados em curto prazo de tempo. 

Uma opção acelerar e aumentar a eficiência e qualidade é o PROAMA – Programa de Aceleração da Maturidade de Gestão da Saúde, um programa criado especialmente para aumentar a maturidade de gestão e produzir resultados rápidos para a instituição.

O PROAMA é uma verdadeira imersão em metodologias de gestão através de um caminho sólido e sistemático de desenvolvimento do processo de gestão a partir das dimensões: Estratégia Empresarial, Governança Corporativa, Gestão por Processos, Pessoas e Tecnologia. O programa envolve atividades integradas que busquem aumentar a maturidade de gestão da instituição de forma a elevar seus resultados, principalmente, em segurança do paciente, qualidade, eficiência nos processos e resultados financeiros, tendo o gerenciamento de resultados, processo exigido pelo BNDES Saúde, como o principal diferencial da metodologia. 

A metodologia do PROAMA está baseada na realização de atividades interligadas que buscam direcionar a instituição para a definição de um modelo de gestão alinhado com os objetivos do Hospital, e para isso foi desenvolvido um método que prevê a aplicação de técnicas e ferramentas que suportem o desenvolvimento do programa. 

Para melhor implementação do método a metodologia foi dividida em 03 (três) linhas de atuação:

 

A principal característica do PROAMA é o envolvimento de todo o corpo de gestores da instituição nas atividades do projeto, proporcionando uma construção gradativa de um modelo de gestão que busque a melhoria dos resultados e sustentabilidade do Hospital.  

Leia também:

Quem disse que Santa Casa só dá prejuízo?

Santa Casa da Bahia melhora processos com implantação do lean healthcare

O médico como cliente: estratégias de gestão para otimizar o serviço do profissional


4 de julho de 2019 | Atualizado dia 4 de julho de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Stand up corporativo: como transformar relações em resultados

Especialista em liderança e motivação promove reflexão sobre comportamentos e interações entre colaboradores de organizações de Saúde Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Saúde 4.0: o impacto da tecnologia na gestão hospitalar

Especialista em Saúde Digital detalha o potencial de transformação das organizações diante das novas tecnologias Por Editorial GesSaúde A relação…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de mudanças: a organização está preparada para melhorar a operação?

Estratégia da administração moderna garante aumento de eficiência e preparo do hospital para as transformações em curso Por Fabiana Freitas*…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos