Voltar

Gerenciamento de processos: antes de investir em tecnologia, é preciso organizar seus processos

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Organizações de Saúde devem conhecer e racionalizar os seus processos através do engajamento dos colaboradores para garantir a sua sustentabilidade.

Por Fabiana Freitas

Os processos são o termômetro de qualquer empresa comprometida com o crescimento sustentável. Para as organizações de Saúde, o gerenciamento por processos é uma importante ferramenta para garantir uma operação racional e alinhada com a estratégia da organização, sempre com o foco no cliente e no retorno financeiro. Porém, falta para muitas organizações uma transformação de cultura gestorial, mais focada na elaboração de processos claros e no engajamento de equipes. A tecnologia pode ser grande aliada na automação de atividades e rotinas. Mas, investir em soluções digitais para processos mal elaborados e sem sintonia com a capacidade e objetivos do hospital, é uma forma míope de investir em gestão.

O Diário da União de quarta-feira (10), publicou a decisão tomada pelo Congresso Nacional em ampliar por mais 60 dias a vigência Medida Provisória nº 848, que concede linha de crédito para as Santas Casas e entidades filantrópicas e sem fins lucrativos através do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS.  Esse crédito, porém, de nada adiantará para essas instituições se elas não se comprometerem com a organização interna dos processos e operações. Em recente matéria publicada pelo Jornal da USP, a Universidade de São Paulo, o  diretor da Faculdade de Saúde Pública da USP, Oswaldo Yoshimi Tanaka, ressaltou a importância de reestruturação.  “Se não melhorar a capacidade de gestão, organizar melhor o trabalho, racionalizar a operação, esse dinheiro não dará conta de recuperar os hospitais”, disse o docente. É um exemplo que também vale para os hospitais privados.

O gerenciamento de processos não pode ser visto como uma forma de administração burocrática. O gestor deve se valer dos resultados ofertados periodicamente com uma forma de arsenal para tomada de decisões. Mais que isso, rotinas claras e bem executadas são a maior garantia de que o paciente terá o melhor atendimento e com segurança, assim como garante para instituição que esses serviços serão remunerados. E para que isso aconteça, é necessário que todos os colaboradores envolvidos participem das definições dos processos, sejam capacitados e acompanhem os resultados através de indicadores. Somente após esse alinhamento, o gestor pode pensar em investir na tecnologia para melhorar e acelerar a execução das rotinas.

O estudo TIC Saúde, de 2015, revelou que 92% das unidades de Saúde do País têm computador e 77% possuem sistema eletrônico para gerenciamento e armazenamento de informações dos pacientes. Muito embora, conforme levantamento da GesSaúde, apenas 30% ou 40% dos recursos destes sistemas são utilizados pelas organizações. Esses dados mostram que, apesar de conscientes da importância da tecnologia, muitos gestores não possuem conhecimento dos seus dos processos. O impacto direto é sentido no caixa: verba dispensada para equipamento modernos que são sub-utilizados pelas equipes, o que gera ineficiência na operação, muitas vezes comprometendo sustentabilidade financeira da instituição.

O setor de Saúde está passando por mudanças drásticas implicadas pelos avanços tecnológicos. Mas, se um hospital não consegue bons resultados com a operação atual, incorporar inovações digitais sem planejamento e sem revisar os processos vai apenas acelerar a decaída do rendimento das equipes e dificultar o aumento de resultados da instituição.

Fabiana Freitas é sócia da GesSaúde. Administradora, também é especialista em gerenciamento de processos com foco em BPM e modelagem por BPMN. Possui especialização em desenvolvimento e gerenciamento integrado, bem como logística empresarial

Saiba mais:

Captation reverso: um modelo disruptivo de remuneração na Saúde

Estratégias de gestão de saúde populacional para hospitais

Da fragmentação à união: o papel do hospital na construção de um novo sistema de Saúde


11 de outubro de 2018 | Atualizado dia 15 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Gestão da qualidade e segurança dos clientes

Entidades governamentais estão cada vez mais preocupadas com a segurança dos usuários, porém, ainda falta muito para as organizações chegarem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão da enfermagem reduz erros e eventos adversos

Mudança de cultura, adoção de metodologias, tecnologias e capacitação são essenciais para o departamento Por Priscilla Martins A enfermagem é…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos