Voltar

Gerenciamento de processos: ferramenta horizontal, não departamental

Com maturidade de gestão hospitalar, conceito é aplicado tendo por base visão sistêmica que contempla todos os setores da organização de Saúde

por editorial GesSaúde

O gerenciamento de processos é um conceito que auxilia o hospital a organizar e otimizar os processos e atividades, tanto as assistenciais – que lidam diretamente com o paciente – quanto as do backoffice e administrativas. Além da padronização, é possível criar indicadores e metas, alinhadas à visão estratégica do negócio, a fim de conduzir a organização de Saúde a alcançar resultados e, assim, evoluir a maturidade de gestão hospitalar.

Hospital: onde e como implantar gerenciamento de processos

Para alcançar esses resultados, no entanto, o gerenciamento de processos deve ser implantado de forma horizontal em todos os setores do hospital, garantindo que todos os departamentos sejam contemplados, com a participação e engajamento de toda a equipe. É preciso deixar para trás a ideia de divisão por departamentos e trazer à tona o conceito de integrar e somar forças.

Aimar Martins Lopes, coordenador de pós-graduação dos cursos de administração hospitalar e gestão da qualidade em organizações de Saúde do Centro Universitário São Camilo, destaca que o gerenciamento de processos é importante para o hospital por se tratar de uma organização complexa e que lida diariamente com a vida humana. “Quando há a compreensão efetiva de como as atividades são executadas, ou seja, os processos, as organizações desenvolvem um nível de serviço first class, ou de classe mundial. Cria-se um padrão para executar cada tarefa e, com isso, reduzem-se erros e amplia-se a qualidade.”

Segundo Lopes, alcançar esse patamar depende de um caminho que começa com a identificação dos processos-chave provenientes da estratégia organizacional, passa pelo conhecimento da metodologia e ferramentas para elaboração e melhoria dos processos integrados para, então, realizar o efetivo mapeamento dos processos funcionais e horizontais. Após a implantação, o especialista lembra que o modelo não é estanque e há necessidade constante de revisar os processos, a fim de identificar gargalos e corrigir rotas.

O coordenador do São Camilo cita o administrador hospitalar e autor de livros sobre o tema Fadi Antoine Taraboulsi para enfatizar a importância do gerenciamento de processos: “nenhuma estrutura no mundo é capaz de resistir a processos demorados e ou que não funcionam.”

Para alcançar todas essas potencialidades, Lopes defende a horizontalidade do gerenciamento de processos, que depende da visão sistêmica do gestor em relação à organização, proporcionada pela maturidade de gestão hospitalar. “As instituições que visam suas atividades de forma vertical, dentro da funcionalidade de cada departamento, não têm competitividade e operam de forma deficiente. Nesses casos, a visão do gestor é semelhante a uma colcha de retalhos. Mas, em organizações maduras, a visão sistêmica prevalece, pois as atividades principais transcendem as linhas hierárquicas da estrutura administrativa.” Sendo assim, a indicação do especialista é que a organização adote a gestão por processos de forma horizontalizada e apoiada de um sistema de informação gerencial (Enterprise Resource Planning – ERP).

Lopes acredita que quando há maturidade de gestão hospitalar, desenvolve-se uma cultura que preza pelo exercício da estratégia, adoção de certificações internacionais, excelência na qualidade dos serviços, melhoria contínua, sustentabilidade e a gestão por processos. “Dentro desse cenário a gestão por processos é mais um elemento da cesta que compõe uma boa governança corporativa.”

Resultados

Com o gerenciamento de processos implantado de forma horizontal, o hospital ganha objetividade para o cumprimento das metas organizacionais estabelecidas no planejamento estratégico, o que, segundo Lopes, reflete diretamente na satisfação do cliente. “Para o hospital, podemos dizer que a satisfação do cliente reside no seu principal stakeholder, o paciente, e que essa satisfação está associada à segurança.”

Lopes garante também que a melhoria contínua por meio do gerenciamento de processos com o modelo horizontal permite clareza nas relações de causas e efeitos entre os problemas departamentais e seus impactos ao longo da cadeia de valor organizacional.

Implantado dessa forma, o conceito ainda proporciona ao gestor a visão total dos serviços oferecidos, e aos funcionários, o conhecimento da efetividade do seu trabalho, suas interfaces e o que cada processo representa para o todo e, principalmente, para a qualidade do atendimento ao paciente.

Saiba mais:

Gerenciamento de processos hospitalares: saiba quando fazer a revisão

O papel do gestor no gerenciamento dos processos hospitalares

Como o gerenciamento de processos evita erros no hospital

Foto: Depositphotos


17 de outubro de 2017 | Atualizado dia 17 de outubro de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão de Pessoas

Gestão de pessoas: como engajar profissionais de Saúde para o uso da tecnologia

Papel do líder é fundamental; treinamentos e capacitações antes, durante e depois da implementação são indicados por editorial GesSaúde A…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Organizações de Saúde são as mais impactadas por nova lei de proteção de dados

Advogado constitucionalista detalha os cinco principais impactos da legislação para hospitais por editorial GesSaúde Aprovada pelo Senado Federal no dia…Leia mais.

Gestão de Pessoas

Por que fazemos as mesmas coisas sempre e por que não aceitamos as mudanças!

Gestão de Pessoas com maturidade de lideranças pode melhorar o rendimento das equipes em uma organização de Saúde Por Anderson Guimarães…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos