Voltar

Gestão de pessoas: como ser digital na operação e humano no trato com o paciente

Capacitação e mudança de mentalidade são essenciais para que o processo de transformação digital garanta um novo tipo de gestão do cuidado em Saúde

por Roberto Gordilho

Na Inglaterra do fim do século 18, o acendedor de lampiões era essencial para a sociedade em plena Revolução Industrial. Ele era responsável por, diariamente, ao cair da tarde, acionar todos os candeeiros das ruas, permitindo assim que o turno das fábricas fosse ampliado. Pouco mais de cem anos depois, com a chegada da iluminação elétrica, o profissional perdeu sua função. O avanço tecnológico causou comoção na classe: revoltados, alguns chegaram a cortar os fios que ligavam as lâmpadas aos postes, como represália.  Outros enxergaram as oportunidades e se transformaram em eletricistas.

Outros cem anos se passaram e a humanidade está em plena transformação digital, movimento também batizado de a Quarta Revolução Industrial. Nos hospitais, o conceito, que ganha cada vez mais força, é impulsionado por inovações como inteligência artificial, Internet das Coisas (IoT, de Internet of Things) e cognificação, apenas para citar exemplos.

Serão necessários em torno de cinco anos para que todas essas tecnologias, que já existem e estão disponíveis no mercado, estejam inseridas no cotidiano da maioria das organizações de Saúde. Com isso, é necessário avaliar também o papel da gestão de pessoas, pois cada funcionário verá a forma como desempenha suas atividades mudar radicalmente, acompanhando a revolução na maneira como as instituições prestam seus serviços de cuidado.

O impacto da gestão de pessoas nos resultados das instituições hospitalares

Do ponto de vista do departamento de recursos humanos, a chave da transformação digital é a capacitação. É preciso treinar o colaborador no uso das ferramentas tecnológicas para que ele desempenhe os processos digitalizados e perceba a importância dos dados que estão sendo gerados para o negócio e para o cuidado do paciente. Mas essa não é a única necessidade. Cerca de 20% do aprendizado está na capacitação oferecida pela organização, cujo interesse principal é que o profissional use os sistemas. Os outros 80% dependem da mudança de mentalidade – esta, que deve partir de cada um.

A tecnologia precisa ser vista pelo profissional como uma forma não apenas de otimizar e agilizar seu trabalho, mas de mudar a maneira como hoje se prestam cuidados em saúde. Com o acelerado envelhecimento da população e o consequente aumento da demanda pelos serviços, os hospitais precisam começar desde já a trilhar o caminho que os levará a se tornarem, de fato, organizações de Saúde, apoiados pela prática das medicinas preventiva e preditiva. Esse paciente do futuro é empoderado e seus desejos são viver mais e melhor. É isso que o hospital precisará entregar.

Humanização

Esse novo profissional sabe que o conhecimento acumulado ao longo da carreira é importante, mas também reconhece a necessidade de enxergar a tecnologia como um apoio para o trato humanizado do paciente. Ele sabe que o olho no olho e o toque são insubstituíveis, mas também sabe o valor que uma base de conhecimentos digitalizada oferece no momento do diagnóstico.

Aproveitando o exemplo, essa é uma forma de mostrar que a tecnologia apoia tanto os profissionais que têm mais tempo de formação quanto os recém-formados. Afinal, o maior legado de um médico com 40 anos de profissão é a experiência acumulada ao longo desse período. Com essa experiência armazenada em sistemas com cognificação e inteligência artificial, ele tem a oportunidade de se tornar ainda mais especializado e oferecer um tratamento diferenciado a seu paciente.

A tecnologia também proporciona maior segurança para médicos que começaram sua atuação recentemente, por meio de uma base de dados sólida que pode ser consultada pela internet e servir de apoio ao diagnóstico. Ela também pode ampliar o acesso à Saúde, com o desenvolvimento da telemedicina, fazendo com que os serviços cheguem às localidades mais afastadas dos grandes centros urbanos.

As possibilidades são inúmeras e já estão acontecendo. Quem conseguir alterar seu mapa mental durante a passagem dessa onda terá mais chances de não ser engolido por ela. Com maturidade de gestão hospitalar, é possível garantir que a capacitação da equipe da organização de Saúde vá além do mero uso das ferramentas tecnológicas e estimule a mudança de cultura, sem deixar de lado o relacionamento humano.

Roberto Gordilho é fundador da GesSaúde, mestrando em administração, especialista em sistemas de informação, engenharia de software, desenvolvimento web e em finanças, contabilidade e auditoria, possui mais de 30 anos de experiência nas áreas de tecnologia e gestão, sendo 15 na área da Saúde.

Saiba mais:

Hospital: a equipe está sendo preparada para a transformação digital?

Gestão de pessoas: como implantar avaliação de desempenho

Seleção de profissionais como ferramenta estratégica para a maturidade de gestão hospitalar

Foto: Freepik


26 de outubro de 2017 | Atualizado dia 23 de outubro de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos