Voltar

Gestão de riscos em hospitais: passo a passo para implantação

Principal objetivo da estratégia é fornecer suporte para a tomada de decisões diante de eventos inesperados

por editorial GesSaúde

Em tempos de transformação digital, mudanças no modelo de remuneração e precificação e outros desafios no cenário brasileiro de Saúde, o gerenciamento de risco é uma metodologia relevante para a gestão hospitalar. Ela visa a antecipar potenciais perigos, conforme os diferentes cenários que a organização pode enfrentar.  É uma importante etapa durante o planejamento estratégico e tem como principal objetivo fornecer suporte para a tomada de decisões diante de eventos indesejáveis.

Hospital: conheça os efeitos colaterais da falta de governança corporativa

Dentro da governança corporativa, existem várias alternativas para a construção de uma estrutura de gerenciamento de riscos. Cada organização deve adotar a estrutura que melhor se enquadre no perfil do negócio, mas uma saída comum é a criação de uma unidade responsável por essa função.

A cultura de riscos de uma gestão define como ela identifica, aceita e gerencia os eventos e ações que podem influenciar o cotidiano do hospital. Por sua complexidade e importância, a gestão de riscos envolve conselho de administração, conselho fiscal e comitê de auditoria, em três linhas de defesa. A primeira é realizada pelos gestores das unidades e responsáveis diretos pelos processos. Deve operar as funções de gerenciamento e responde em primeiro lugar pelos riscos. A segunda é executada pelos gestores corporativos de práticas de controle e tem a finalidade de oferecer visão integrada dos riscos. Por fim, a terceira linha de defesa é realizada pela auditoria interna e fornece avaliações por meio do acompanhamento dos controles internos.

Para colocar a gestão de riscos em prática, é necessário envolver as áreas técnicas, que vão oferecer as informações necessárias para complementar a visão sobre potenciais intercorrências.  Quatro passos ajudam no processo:

  • Identificação: essa é a etapa de levantar o conjunto de eventos externos e internos que podem impactar de alguma forma os objetivos estratégicos ou comprometer a operação. Ao observar o ambiente externo do hospital, os gestores devem se atentar aos possíveis cenários e mudanças no setor. Em seguida, o olhar deve ser direcionado para o interior do negócio, identificando pontos fracos, fortes e autonomia de resposta aos eventos. O número de ocorrências dependerá do porte e do tipo de serviço prestado pela organização. Esse processo deve ser revisto frequentemente, com periodicidade a ser definida pela gestão, para que seja possível  a rápida adaptação às mudanças. O perfil dos riscos pode ser definido pelo corpo executivo e avaliado pelo conselho de administração.
  • Avaliação: nesse momento, é preciso saber quais tipos de efeitos os riscos podem causar na organização de Saúde, como, por exemplo, redução na qualidade do atendimento, queda nos resultados, multas fiscais, etc. Saber a potencialidade de eventos futuros fornece embasamento para o tratamento que será executado.
  • Implementação: é realizada por meio da estruturação dos processos internos, com o intuito de reduzir, mitigar e absorver impactos, além de fomentar a cultura de gestão de riscos.  Ou seja, os responsáveis pelo gerenciamento de riscos são os gestores de um determinado processo, que devem fazer acompanhamento contínuo.
  • Monitoramento: após identificado o risco, é preciso acompanhar a evolução do evento, formatar medidas de desempenho, descrever o impacto em relatórios e quantificar possíveis perdas, a fim de criar padrões que serão seguidos caso o evento volte a ocorrer.

O conselho de administração também tem o papel de fortalecer junto ao corpo executivo e diretoria a importância da manutenção da gestão de riscos e sua disseminação a todas as áreas da organização de Saúde. Cabe a ele identificar os perigos e definir e atualizar o apetite de risco da organização, que significa o quanto de exposição uma instituição pode tolerar para atingir suas metas e objetivos. O conselho também deve monitorar periodicamente os potenciais eventos.

O conselho fiscal, como órgão de governança, pode assumir a supervisão e monitoramento da gestão de riscos, que inclui a supervisão dos comitês de auditoria, gestão de riscos, auditoria interna, áreas contábil, jurídica, de ética e conduta. O objetivo é usar as informações desses agentes para formar opinião sobre os atos da gestão.

As informações pertinentes sobre os riscos são direcionadas para a direção ou presidência do hospital. Esse alto escalão se vale de todos os dados para assumir a tomada de decisões, baseado no apetite de risco. Todos os detalhes da decisão, contudo, são antes discutidos com o conselho de administração, para nortear as ações e evitar possíveis erros de conduta e investimento – garantindo, assim, que o hospital esteja preparado para lidar com todos os possíveis cenários de risco.

Saiba mais:

Governança corporativa e a relevância do conselho fiscal para o hospital

Governança corporativa e transformação digital: aonde vamos?

Governança corporativa: como aculturar o hospital

Foto: Pixabay


1 de Março de 2018 | Atualizado dia 1 de Março de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos