Voltar

Governança corporativa: como aculturar o hospital

Comunicação e transparência são chaves para que funcionários adotem o conceito e ajudem a organização a atingir a maturidade de gestão hospitalar

por editorial GesSaúde

Governança corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas e monitoradas, envolvendo relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas. O conceito formaliza um conjunto de regras de como deve ser a conduta de cada funcionário e da equipe para que se alcancem os resultados estratégicos planejados.

Os 5 níveis de maturidade da governança corporativa

Para implantar governança corporativa no hospital é preciso primeiro criar uma cultura de profissionalização da gestão. Klaus Suppion, coordenador dos cursos de educação a distância de ciências contábeis e de gestão de seguros da Universidade Metodista de São Paulo, afirma que esse aculturamento exige disciplina, planejamento e leva tempo. “Níveis de governança não são obtidos da noite para o dia. Existe uma cultura que precisa ser desenvolvida para que a organização tenha boas práticas. Governança corporativa não é uma chancela, não se obtém com uma auditoria. É um conceito que precisa ser incorporado no dia a dia da instituição.”

Os gestores têm papel de destaque nesse processo, pois são os responsáveis por aculturar o hospital para que as boas práticas de governança convertam princípios básicos em recomendações objetivas. Assim, alinham-se os interesses com a finalidade de preservar e otimizar o valor econômico de longo prazo da organização, facilitando seu acesso a recursos e contribuindo para a qualidade do atendimento ao paciente.

Elizabeth Castro Maurenza de Oliveira, coordenadora do curso presencial de ciências contábeis da Metodista, explica que a governança corporativa têm sido cada dia mais disseminada nas organizações de todos os setores porque quando seus conceitos são bem executados, ajuda a gerar retorno financeiro e mercadológico. “O gestor é o responsável pela operacionalização e o cumprimento das expectativas demandadas pelos conselhos administrativos, conselho de auditoria e assembleia de acionistas.” Portanto, é ele quem deve comunicar as metas e objetivos pactuados para os demais integrantes das equipes.

Como aculturar

O primeiro passo para a aculturação do hospital, destaca Elizabeth, é que funcionários e equipes saibam exatamente a quem devem responder. É preciso ter claro quem é a liderança direta, a quem o funcionário irá se reportar para que possa alinhar suas atividades e definir prioridades.

Saber para quem se responde, porém, não quer dizer que as equipes devem trabalhar de forma isolada. Um dos princípios básicos da governança corporativa é possibilitar que todos conheçam o papel que desempenham para o cumprimento da atividade-fim do hospital, que é oferecer atendimento de qualidade ao paciente com os recursos disponíveis. Esse processo, conforme a especialista, também faz parte da aculturação, já que propõe que se entenda o que o outro executa e a forma como eventuais erros podem impactar no ciclo completo da cadeia de prestação do serviço – nesse ponto, contar com gerenciamento de processos facilita a aculturação para que se alcancem boas práticas de governança corporativa.

Entre os pilares da metodologia também estão a comunicação e a transparência, portanto, é preciso não apenas criar conselhos e comitês, mas também comunicar aquilo que é discutido e, principalmente, decidido em suas reuniões aos demais funcionários. Conhecer os resultados que a organização quer alcançar é essencial para que o profissional desempenhe sua função e se sinta parte do sucesso do time, como garante Klaus Suppion. “Direcionar a organização sem que seus colaboradores saibam do planejamento estratégico é impossível. A melhor forma é colocá-los como parte do projeto, com participação em todas as etapas.”

Os especialistas concordam: aculturar o hospital, atingir a maturidade da governança corporativa e da gestão como um todo leva tempo, exige esforço de gestores e equipes, mas permite fortalecer as instituições, com definição de regras claras para facilitar os processos e entregar qualidade e confiança ao paciente.

Saiba mais:

Compliance como conceito de governança corporativa no hospital

Governança corporativa: a dicotomia de tratar a saúde e gerar resultados

Case: governança corporativa ajuda a profissionalizar gestão de hospital filantrópico

Foto: Depositphotos


16 de novembro de 2017 | Atualizado dia 13 de novembro de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão de Pessoas

Gestão de pessoas: como engajar profissionais de Saúde para o uso da tecnologia

Papel do líder é fundamental; treinamentos e capacitações antes, durante e depois da implementação são indicados por editorial GesSaúde A…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Organizações de Saúde são as mais impactadas por nova lei de proteção de dados

Advogado constitucionalista detalha os cinco principais impactos da legislação para hospitais por editorial GesSaúde Aprovada pelo Senado Federal no dia…Leia mais.

Gestão de Pessoas

Por que fazemos as mesmas coisas sempre e por que não aceitamos as mudanças!

Gestão de Pessoas com maturidade de lideranças pode melhorar o rendimento das equipes em uma organização de Saúde Por Anderson Guimarães…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos