Voltar

Governança corporativa: como otimizar a gestão hospitalar

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Como a governança corporativa pode ajudar a minimizar custos e riscos em hospitais de pequeno e médio porte

 

Por Editorial GesSaúde

O sistema de governança corporativa deveria ditar a “regra do jogo” dentro de instituições de Saúde de pequeno e médio portes que queiram ter uma gestão madura e que afete positivamente seu crescimento sustentável. A governança corporativa vem para modernizar recursos, trazer uma nova cultura de serviços e de prestação de contas, a partir  da implantação de controles internos, de gestão de riscos, assim como do incentivo às boas práticas, envolvendo desde sócios até investidores e órgãos de regulação. O ensinamento é de Hélder Uzêda, professor, doutorando e mestre em governança corporativa pela Universidade Salvador.

Uma boa governança é essencial na incorporação de alguns princípios básicos como transparência, equidade, prestação de contas, conformidade e responsabilidade corporativa, sempre com foco em contemplar todos os demais fatores que constroem o gerenciamento do processo, além de preservar e otimizar o valor de sua organização.”

Solução de questões chave

De acordo com Uzêda, as instituições de Saúde vivem um “dilema entre a gestão empresarial e o assistencialismo”, e a governança corporativa contribui para diminuir esse problema, ajudando a resolver questões chave para quem gerencia, com respostas claras para quem prestar contas, igualmente como definir  regras de investimento e administração do hospital.

“A governança é mais do que um processo para gerenciar, ela vem para fortalecer ainda mais as instituições, trazendo excelência para hospitais, além da definição de regras claras para facilitar o processo e trazer bons resultados para as organizações”, afirma o especialista.

A governança pode, ainda, cair como uma luva para instituições que decidirem apostar em investimentos de curto e médio prazo, já que, além de facilitar a transparência na prestação de contas, traz um alto nível de excelência na performance de serviços, o que resulta em uma melhor entrega do produto final, que é o atendimento correto e eficaz de seus pacientes.

Hospitais privados x filantrópicos

No caso dos hospitais privados, a governança corporativa parte do pressuposto do desejo de seus administradores e investidores em melhorar seu produto final, já que essas organizações encontram mais facilidade de ter investimentos de outras empresas, seja de equipamentos, medicamentos e outros serviços, focando  em práticas que buscam transparência na prestação das contas, o que possibilita a redução do risco do capital investido.

Na contramão vêm os hospitais filantrópicos que se mostram mais dependentes da boa governança corporativa por não serem munidos de tantos investimentos e terem necessariamente que prestar contas à sociedade. Com a crise econômica que o Brasil atravessa, tende a faltar ainda mais investimentos em programas de gestão que possam controlar e gerenciar melhor esses hospitais, que são autônomos na prestação de contas.

Deixar de investir em governança corporativa diante da crise é um dos maiores erros da gestão, porque é deixar de controlar riscos e custos da instituição,  e não introduzir padrões que trazem melhorias no curto, médio e longo prazo, retirando o caráter assistencialista e aumentando o nível de profissionalização do setor.


26 de abril de 2017 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Gestão da fila nos serviços de Saúde

Redesenhar as linhas de cuidado para reduzir as expectativas requer investimentos em sistemas e redes de atenção à Saúde bem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão da qualidade e segurança dos clientes

Entidades governamentais estão cada vez mais preocupadas com a segurança dos usuários, porém, ainda falta muito para as organizações chegarem…Leia mais.

Gestão Hospitalar

A importância do engajamento do paciente para aumentar a eficácia do sistema

Estudos mostram que menos de 35% do que é feito aos pacientes é realmente benéfico, por isso a ineficácia dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos