Voltar

Governança corporativa e a difícil tarefa de interpretar a norma

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Programas de compliance têm como desafio transformar conteúdo normativo em ações práticas da rotina hospitalar

por Agnaldo Bahia

Governança corporativa e compliance são temas que ganham cada vez mais importância de gestores das entidades de Saúde. Já há um conhecimento satisfatório em relação aos danos que a falta de um programa de compliance podem trazer para uma organização. Questões como perdas financeiras, manchas na imagem corporativa, comprometimento do ambiente de trabalho e redução do crescimento podem ser resultados da falta de atenção da gestão com esses temas. Se os malefícios já são bem conhecidos, um aspecto que não parece completamente assimilado é como construir a governança corporativa ou um programa de compliance dentro do dia-a-dia caótico de uma entidade de Saúde.

O primeiro passo para iniciar um programa de compliance é identificar o responsável por implantá-lo e gerenciá-lo. Uma habilidade que o profissional escolhido precisa possuir é a capacidade de interpretar corretamente as normas e, mais importante, a habilidade de transformar o conteúdo normativo em comportamento que seja observado pelo colaborador. Parece algo trivial, mas a atividade de interpretar a norma não é tão fácil. A capacidade de transformar a determinação legal em um comportamento claro e determinado é ainda mais complicado.

De um modo geral, as normas possuem duas características claras: 1) expressam um princípio vago e não uma ordem objetiva e; 2) precisam de complementação para ser compreendida. Um exemplo é o artigo 196 da Constituição Federal, que determina ser a saúde um direito de todos e um dever do Estado. Como esse dever será exercido pelos membros da administração pública ou cobrado pelo cidadão é algo que não está indicado na norma. Como dito acima, ela expressa um princípio que deverá nortear o comportamento da sociedade brasileira e que dependerá de diversas outras normas para que os responsáveis e os beneficiários possam usufruir do que o legislador desejou ao redigir esse dispositivo.

O mesmo acontece com milhares de dispositivos legais e centenas de códigos ou políticas organizacionais. A maioria das empresas listadas na Bolsa de Valores possuem códigos e políticas publicadas em seus sites institucionais. Poucos são cuidadosos em definir o comportamento esperado ou vedado ao colaborador a quem a norma se destina. Neste contexto, o responsável pelo programa de compliance precisa garantir que as pessoas tenham compreendido o que a organização espera com aquela norma. E isso só é possível se ele obtiver do colaborador questionado uma resposta clara e objetiva sobre o comportamento que lhe é esperado.

Uma norma é, antes de mais nada, um objeto de orientação em relação a uma conduta desejada e uma ferramenta de intermediação de disputas num dado grupo social. Assim, ao menos que o colaborador saiba exatamente o que lhe é permitido ou vedado em determinado tema, aquela norma não servirá para muita coisa. Como não é possível listar todos os comportamentos, a norma deve conter elementos que permitam ao colaborador interpretar qual deve ser a sua atitude ou comportamento numa situação concreta.

Quanto maior for a capacidade demonstrada pelo colaborador de relacionar o conteúdo da norma com o seu comportamento, maior será a probabilidade de êxito do programa de compliance. A organização deve compreender, porém, que essa capacidade de interpretar, entender e aplicar o que a norma prescreve deve ser construída por meio de muita orientação e de treinamento. A organização que trilhar um caminho nesta direção possui uma chance maior de ser bem sucedida na implantação desse programa, que é cada vez mais estratégico para o desenvolvimento dos hospitais como negócio.    

Agnaldo Bahia é advogado especialista em Saúde, consultor, professor universitário e diretor jurídico da Associação dos Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB).

Saiba mais:

Aspectos jurídicos da transformação digital da Saúde

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Aspectos jurídicos que influenciam o planejamento estratégico do hospital

Foto: Shutterstock

 

 


19 de junho de 2018 | Atualizado dia 22 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Value-based Healthcare: estratégia para melhorar a qualidade e reduzir os custos

Conceito otimiza a gestão hospitalar fornecendo valor nos serviços de Saúde e ampliando a experiência do cliente Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Resultado e profissionalização da gestão, este é o nome do jogo na Saúde

É o momento de os hospitais avançarem na profissionalização dos processos de gestão para enfrentar as transformações que estão ocorrendo…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Telemedicina ganha novas aplicações na Saúde Pública

Especialista ressalta que o uso da tecnologia e a comunicação virtual já são usados em diversos países Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos