Voltar

Hospital: BSC como apoio ao planejamento estratégico

Metodologia ajuda a aferir resultados e permite traçar mapa de crescimento que considera objetivos e metas da organização

por editorial GesSaúde

Hospitais são organizações complexas, inseridas em um ambiente que se torna, progressivamente, mais competitivo, desafiador e impactado pelo avanço da tecnologia. Um planejamento estratégico bem estruturado demanda acompanhamento de resultados,  processos e evolução do time, de forma a responder aos desafios do mercado externo em constante evolução.

Estratégia empresarial: o desafio de ir além da mera formalidade

O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia que auxilia os gestores na elaboração do planejamento estratégico. Ela foi usada primeiramente como uma ferramenta de avaliação de desempenho organizacional. Seus criadores, Robert Kaplan e David Norton, desenvolveram a ferramenta no início dos anos 1990, ao notar que os sistemas de avaliação utilizados até então tomavam como base apenas indicadores financeiros, o que não garantia uma visão rigorosa sobre a eficácia de um empreendimento. A evolução do BSC foi equilibrar esses indicadores com os operacionais, possibilitando um detalhamento melhor da atuação da organização.

A ideia é envolver todo o corpo empresarial, colaborador a colaborador, em uma mapa estratégico de crescimento, considerando objetivos e metas a serem alcançados de acordo com a realidade do negócio. É uma mudança de perspectiva gerencial, tirando o foco exclusivo no financeiro, envolvendo e integrando todos os setores da organização de Saúde na otimização. Para implantar, é necessário levar em consideração alguns pontos principais dessa metodologia:

  • Mapa estratégico: essa etapa consiste em ressaltar missões e objetivos da organização e elencar, em um mapa ou planilha, os objetivos de cada área ou departamento. Em seguida, é necessário identificar e apontar as interseções de auxílio entre áreas diferentes.
  • Mudança de cultura: É importante que o gestor apresente a metodologia para toda a equipe e motive o time a utilizá-la. O sucesso do BSC como ferramenta de maximização de resultados está baseado na integração dos departamentos  e na colaboração. Além de cumprir com as metas próprias, cada departamento tem de compreender que a organização tem de crescer como um todo e as suas metas contribuem para o trabalho de todos.
  • Indicadores: O BSC se vale de indicadores estratégicos de desempenho. Uma vez mapeado todo o negócio de acordo com os objetivos e metas individuais das áreas, o gestor deve criar os indicadores de crescimento e resultados. A avaliação periódica desses indicadores dará a visão e a métrica necessária para ajustes rotineiros.

A metodologia é dividida em quatro perspectivas: financeira, cliente, processos internos e aprendizagem e conhecimento:

  • Financeira: envolve indicadores e parâmetros que fornecem informações sobre como a estratégia empresarial está contribuindo para o retorno financeiro.
  • Cliente: traz informações sobre o mercado, traçando o perfil básico dos consumidores e segmentos. Qualidade, atendimento e custo são dados importantes, pois apresentam ao gestor a forma como a organização atua junto aos pacientes e podem contribuir na captação e fidelização de novos clientes.
  • Processos internos: avaliam competência e desempenho dos processos implantados. Abordagens de mensuração tradicionais estão mais focadas em dados históricos de desempenho, mantendo toda a estrutura de avaliação no passado que não se atualiza às mudanças de mercado, perfis de cliente, dinâmica de fornecedores e evolução de novas tecnologias. O BSC, ao contrário, implica em abordagem proativa e de melhor visualização global.
  • Aprendizado e conhecimento: dados que apontam o caminho para chegar aos objetivos planejados pelas perspectivas anteriores.  É importante capacitar e manter sempre ativo o aprendizado de colaboradores para melhorar o fluxo de informações, a aplicação de atitudes e a compreensão holística do empreendimento.

Com o BSC, a gestão terá um mapa estratégico que permeia, entre outros indicadores, volume de faturamento e participação no mercado (perspectiva financeira), valoração do cliente (perspectiva do cliente/mercado); ampliação da excelência operacional (perspectiva dos processos internos) e a compreensão e otimização do investimento em capital humano, mensurado pela perspectiva do aprendizado e desenvolvimento.

 

Saiba mais:

Hospital: passo a passo para elaborar o orçamento empresarial

Planejamento empresarial: desdobrando metas em objetivos estratégicos

Fusões e aquisições como estratégia empresarial e o impacto para o paciente

Foto: Pixabay


27 de Fevereiro de 2018 | Atualizado dia 26 de Fevereiro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos