Voltar

Hospital: conheça os efeitos colaterais da falta de governança corporativa

Falta de organização interna, desalinhamento entre departamentos e lideranças sem autonomia são alguns dos sintomas de uma administração não profissionalizada

por editorial GesSaúde

Um dos principais indicativos de uma organização de Saúde com pouca ou nenhuma aderência à metodologia de governança corporativa é a desorganização interna. Uma vez que o conceito tem como característica determinar regras e parâmetros de gestão da entidade, abrir mão dele leva a uma administração instintiva e não profissionalizada. Com as condições desafiadoras do mercado de Saúde, que incluem a transformação digital, mudanças nos modelos de remuneração e monetização e aquecimento de fusões e aquisições, hospitais que não tiverem uma gestão madura e baseada em metodologias não conseguirão se manter vivos e relevantes.

Alguns sintomas ajudam a identificar a falta de compromisso com as técnicas de governança corporativa:

  • Desalinhamento entre departamentos: isso se reflete em problemas de comunicação, retrabalho, baixa eficiência operacional e não atendimento a protocolos internos;

 

  • Lideranças sem autonomia: baixa autonomia das lideranças para tomada de decisões operacionais e gerenciais;

 

  • Falta de profissionalização da gestão: determinações baseadas no feeling dos gestores ou do dono do hospital, mesmo que estejam em desacordo com a estratégia empresarial divulgada;

 

  • Ausência de prestação de contas: compartilhamento de informações sobre o negócio às partes interessadas ocorre sem frequência adequada, quando ocorre;

 

  • Falta de transparência: board e demais gestores desconhecem processos decisórios ou não têm acesso a decisões antes de elas serem tomadas;

 

  • Desalinhamento entre sócios: problemas de relacionamento entre os sócios do hospital transparecem nos demais departamentos, causando desalinhamento nas dinâmicas de trabalho e excesso de competitividade negativa interna.

A governança corporativa é crucial para evitar esses desgastes, principalmente em organizações geridas por grupos familiares. Transparência, responsabilidade corporativa, equidade e prestação de contas são fundamentos que uniformizam o negócio e apresentam um padrão ético a ser seguido por todos, dos gestores aos funcionários.

A falta de uma estratégia de governança corporativa também dificulta o enfrentamento de crises financeiras e baixas de orçamento. Decisões concentradas apenas nas mãos do superintendente podem dificultar os processos, deixando-os lentos e, muitas vezes, ocasionando no não atingimento das melhores soluções. Importante frisar, ainda, que decisões monocráticas reduzem o engajamento da equipe.  

Para mudar

Profissionalizar a gestão por meio da governança corporativa exige a criação de um Conselho de Administração, submissão das demonstrações financeiras a um auditor totalmente independente da gestão e garantias de que ninguém na companhia está envolvido em decisão sobre sua remuneração. Esses três itens representam apenas o primeiro dos cinco níveis de maturidade da metodologia, que prevê ainda a instalação de Conselho Fiscal, comitês de auditoria, recursos humanos e de governança corporativa, entre outros aspectos que são listados no texto Os 5 níveis de maturidade da governança corporativa.

As instituições vivem um dilema entre a gestão empresarial e o assistencialismo – e é nesse âmbito que o conceito contribui, ajudando a resolver questões-chave para quem gerencia e fornecendo  respostas claras para quem presta contas, além de definir  regras de investimento e administração do hospital.

Saiba mais:

Governança corporativa e transformação digital: aonde vamos?

Governança corporativa: como aculturar o hospital

Compliance como conceito de governança corporativa no hospital

Foto: Pixabay


23 de Janeiro de 2018 | Atualizado dia 22 de Janeiro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos