Voltar

Mapeamento e gerenciamento de processos: contratar consultoria externa é necessário?

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Para especialistas, independentemente do modelo de implantação, envolver todos os colaboradores é essencial para alcançar os resultados almejados

Por editorial GesSaúde

Mapear os processos do hospital, a depender do porte da instituição, pode ser trabalho longo, que requer investimento e apresenta variados desafios. Há duas opções: contratar uma consultoria especializada ou formar um time interno. Em ambos os casos, é essencial que toda a equipe, do backoffice ao assistencial, esteja envolvida para que os resultados almejados sejam alcançados.

Airton Viriato de Freitas, coordenador do curso de pós-graduação em administração hospitalar da Universidade Metodista de São Paulo, e Celso Baldesin, do Hospital Emílio Ribas, explicam as diferenças entre os modelos: a consultoria é formada por um grupo de profissionais especializados que fazem serviços por demanda, estipulando um valor a ser cobrado. Primeiramente, fazem o diagnóstico situacional, traçam uma meta e aplicam uma metodologia  para atingir determinado objetivo. Por serem especialistas, possuem experiência no método e focam em entregar os resultados acordados. Os contratos, em geral, possuem escopo e prazo bem definidos.

Já o grupo interno, conforme os especialistas, é formado por profissionais com conhecimento específico, escolhidos dentro da organização de Saúde. Esse grupo também fará o diagnóstico situacional, alocará os recursos e traçará metas para atingir os objetivos.

A escolha por um ou outro modelo depende de diversos fatores, entre eles o nível de qualificação da equipe interna para desenvolver o trabalho, a verba disponível para investimento e, ainda, o nível da maturidade de gestão hospitalar da organização. Para Roberto Gordilho, da GesSaúde, no caso da opção por uma consultoria, é preciso ir além do mero mapeamento e implantação dos processos. “É importante que o serviço inclua a qualificação do time interno, com o objetivo de garantir a continuidade e evolução dos processos mapeados. Quanto mais se prepara o time interno, melhor é o resultado do trabalho”, avalia.

Os especialistas concordam que, quando a escolha é por uma consultoria externa, é preciso engajar as equipes internas para a plena adesão, como parte do plano de gerenciamento de processos do hospital. “Por meio da capacitação, os colaboradores desenvolvem os processos gerenciais, com uso de avaliações e indicadores periódicos”, destacam Freitas e Baldesin.

Passo a passo

O primeiro passo para a implantação do gerenciamento de processos no hospital, conforme os especialistas, é convocar os líderes setoriais das áreas de gestão e assistencial: são eles que irão receber o treinamento específico e multiplicar para os demais colaboradores, explicam Freitas e Baldesin. Esse envolvimento deve ser feito tanto no caso da escolha por uma consultoria quanto na opção pela equipe interna.

Realizar reuniões interdepartamentais entre os envolvidos em cada um dos processos desenhados é uma forma apontada pelos especialistas para garantir a adesão e plena execução, além de mapear todas as interfaces e integrações no processo fim a fim. Assim, os funcionários sabem exatamente a responsabilidade individual e como não conformidades podem afetar o processo como um todo, levando a impacto administrativos e financeiros para a empresa e afetando, ainda, a qualidade do atendimento ao paciente.

É importante lembrar que, além da necessidade de mapear os processos, parte do gerenciamento inclui a revisão periódica, em busca de pontos que podem ser aprimorados. Com processos desenhados com a participação de toda a equipe e uma gestão madura, é possível identificar gargalos, corrigir erros e até mesmo mudar totalmente o serviço prestado, focando onde é possível garantir a excelência.

Afinal, é preciso ter em mente que o principal objetivo da organização de Saúde continua um só: equacionar o equilíbrio entre garantir o cuidado com a vida e a segurança do paciente, e a disponibilidade de recursos limitados. Está aí o desafio, e não há consultoria ou grupo interno que possa resolvê-lo sem a participação direta de todos, dos funcionários aos gestores – e também do próprio paciente, o termômetro de avaliação de cada processo mapeado e executado.

Saiba mais:

O papel do gestor no gerenciamento de processos hospitalares

Gerenciamento de processos hospitalares: saiba quando fazer a revisão

Hospital: onde e como implantar gerenciamento de processos

Foto: Pixabay


17 de agosto de 2017 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Maturidade de Gestão Hospitalar: conceito e aplicação no gerenciamento de organizações de Saúde

O gestor maduro consegue não apenas garantir a continuidade saudável do negócio, mas também permitir o melhor atendimento ao paciente…Leia mais.

Maturidade de Gestão Hospitalar

Os seis aspectos da maturidade de governança clínica no hospital

Sistema tem como objetivo garantir a excelência dos serviços de Saúde, contemplando qualidade da assistência e segurança do paciente Por…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

O impacto da IoT e Wearables na saúde

Especialista aponta principais tecnologias health care que auxiliam na operação de organizações de Saúde e promovem a qualidade do atendimento…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos