Voltar

O desafio de aliar conhecimentos e competências na gestão de pessoas

Desafio do hospital é selecionar e reter profissionais de backoffice altamente especializados, além de buscar equipe clínica de excelência

por editorial GesSaúde

Construir o quadro de colaboradores de uma organização de Saúde não é tarefa fácil. De um lado, há uma demanda por profissionais de backoffice altamente especializados; do outro, a busca por equipe clínica de excelência. Cada um, em seu espectro de atuação, deve contribuir para que o objetivo do hospital – o cuidado ao paciente – seja atingido sem intercorrências. É a equipe que faz a diferença para que a organização se mantenha relevante e competitiva no mercado de Saúde.

Seleção de profissionais como ferramenta estratégica para a maturidade de gestão hospitalar

Fica a cargo da gerência de recursos humanos a complexa tarefa de não somente selecionar, como também reter os profissionais que cumpram os requisitos necessários. Essa tarefa é facilitada quando se tem em mente as necessidades específicas de conhecimentos e competências do time do hospital.

Essas duas palavras podem, até mesmo, serem usadas como sinônimos, mas representam coisas diferentes. Conhecimento é tudo aquilo que pode ser apreendido intelectualmente, o que está ligado à profissão e atividade. Competências está ligado a um conjunto de habilidades desenvolvidas pelo sujeito à medida que ele amadurece.

Conhecimentos

Os conhecimentos podem ser caracterizados de três formas:

  • Técnico: trata-se do saber prático, relacionado a como executar a tarefa dentro da área na qual o colaborador será alocado. Por exemplo: o enfermeiro precisa saber como aplicar injeção, trocar sonda, etc; ao passo que a recepcionista deve ser capaz de se comunicar com o paciente de maneira eficiente, em um momento que costuma ser de alta fragilidade;
  • Processo: o colaborador deve ter conhecimento sobre como a atividade que ele executa contribui para o processo como um todo, incluindo as tarefas precedentes e posteriores. Isso permite uma visão global da instituição;
  • Gerencial: como o próprio nome diz, relacionado ao entendimento do gestor sobre as rotinas administrativas, de forma que ele possa conduzir os processos, motivar as equipes e apresentar os resultados.

Competências

Além dos conhecimentos, as competências também são importantes para selecionar o perfil de profissional para cada área do hospital. Elas podem ser medidas por sete tipos:

  • Liderança: é importante que o colaborador conheça e tenha noção de ascendência sobre outros profissionais, estando ele ou não em cargo de gestão.;
  • Espírito de equipe: não existe trabalho individual em uma organização de Saúde, seja dentro da gestão clínica ou empresarial. Cada atividade está atrelada e dependente de outra. Todos, portanto, precisam ter o entendimento que fazem parte de um time, que deve atuar de forma integrada;
  • Foco em resultados: a execução dos processos tem de estar focada na geração de resultados que cada contribuição individual tem para o todo.
  • Resiliência: mesmo que os resultados esperados não sejam atingidos, é necessário que o profissional saiba superar os problemas, sem se abalar, para dar continuidade ao trabalho e à busca pela excelência;
  • Senso de urgência: manter a qualidade do trabalho levando em consideração o tempo de demanda do paciente;
  • Visão sistêmica: é importante que o funcionário compreenda em que parte ele está inserido dentro de todo o sistema que rege a organização de Saúde. Ele deve compreender quais são os processos que são realizados anteriores aos dele e também posteriores.
  • Orientação para custos: os resultados devem ser entregues dentros dos custos condizentes à realidade da organização. O foco nessa característica é oferecer à instituição resultados que maximizem a produção sem, contudo, danificar a estrutura de gastos. Melhor atendimento ao paciente e maior rentabilidade para a organização.

Para que uma instituição de Saúde funcione de forma orgânica, é preciso contar com profissionais competentes e engajados. O gestor deve manter o direcionamento dos processos sempre alinhado com a motivação das equipes e aferindo o perfil de cada colaborador dentro das tarefas.

Saiba mais:

Da contratação à avaliação periódica: o papel do líder na gestão de pessoas

CEO: verdadeiro líder não delega gestão de pessoas só ao RH

Transformação digital exige ampliar foco do profissional de Saúde para promoção e prevenção

Foto: Depositphotos


1 de Fevereiro de 2018 | Atualizado dia 30 de Janeiro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos