Voltar

Os desafios do envelhecimento da população para o hospital

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Mudança no perfil epidemiológico traz aumento de doenças crônicas, que demandam assistência prolongada e custos mais elevados

por editorial GesSaúde

Há em todo o mundo um movimento de envelhecimento populacional que, de alguns anos para cá, começou a chegar com mais intensidade ao Brasil – antes considerado um país jovem. Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada em 2017, aponta que entre 2012 e 2016 o grupo de pessoas com 60 anos ou mais cresceu 16%, enquanto o de crianças (entre 0 e 13 anos) caiu 6,7%. Até 2060, o IBGE estima que a população com 80 anos ou mais deve somar 19 milhões de pessoas.

O último relatório técnico da Organização das Nações Unidas destaca que, em 2050, a expectativa de vida nos países em desenvolvimento, como o Brasil, será de 82 anos para homens e 86 para mulheres, 21 anos a mais do que os respectivos 62,1 e 65,2 atuais. E um dos setores que mais sentirá esse impacto é o de Saúde. Afinal, todos querem envelhecer com qualidade de vida – mas os desafios para alcançar essa premissa no Brasil são imensos.

Segundo o professor Paulo Salzo, da Escola de Ciências Médicas e da Saúde da Universidade Metodista de São Paulo, o primeiro ponto a ser levado em consideração sobre o envelhecimento populacional é a mudança do perfil epidemiológico. Em populações jovens, é mais comum a ocorrência de doenças infectocontagiosas, cujo modelo de resolução é baseado em cura ou morte. Já em idosos, o perfil se concentra nas doenças crônicas – que, em geral, não tem cura e requerem tratamentos prolongados a fim de manter a qualidade de vida. “Inúmeras condições mórbidas são de ocorrência mais elevada no envelhecimento, como por exemplo as doenças degenerativas e as doenças neoplásicas”, explica o especialista.

Para lidar com essas condições, é preciso se preparar. E a palavra chave nesse sentido, para Salzo, é a prevenção, aliada a um manejo integrado de práticas de nutrição adequada e exercício físico. Para alcançar esse modelo, faz-se necessária uma mudança no sistema de Saúde – hoje focado no tratamento e cura de doenças já estabelecidas. É um movimento que depende de todas as organizações envolvidas no cuidado, mas que ainda avança a passos lentos, com iniciativas isoladas no País.

Esse modelo é fundamental para suprir o aumento da demanda e lidar com os custos que fatalmente irão crescer conforme a população envelhece. “Evitar custos é impossível, mas seria pertinente elaborar estratégias para reduzi-los. Um grande problema é que vivemos em um país de custos e impostos muito elevados, o que dificulta realizar procedimentos mais adequados e acessíveis”, destaca Salzo.

A tecnologia tem um papel importante na redução dos custos. Ela pode ajudar tanto os hospitais, desde que haja gestão profissionalizada, quanto os pacientes, desde que recebam orientação correta. Aliás, esse é um dos principais pontos sensíveis destacados pelo especialista: mesmo que haja uma mudança massiva no modelo do sistema de Saúde, é preciso investir ainda no engajamento dos pacientes com sua própria saúde e qualidade de vida. “Os profissionais de Saúde devem orientar corretamente os pacientes e conseguir sua participação e adesão aos tratamentos. Eles podem ser orientados sobre como se prevenir, atuando em conjunto com o hospital. Até mesmo a internet é um caminho para orientação, desde que bem indicada, com sites e aplicativos de confiabilidade alta.”

Mas somente tecnologia não basta. O hospital precisa usá-la como um meio para mudar os modelos de gestão vigentes e se tornar uma organização preparada para o futuro. Nesse sentido, tornar os processos maduros, trabalhar com estratégia, garantir a governança corporativa e a gestão de pessoas são passos fundamentais para garantir um futuro no qual a saúde será, de fato, o principal serviço oferecido pelas instituições.

Saiba mais:

Termo de consentimento: mais burocracia ou cuidado centrado no paciente?

Gestão de Pessoas: como enganjar profissionais de Saúde para o uso da tecnologia

Organizacoes de Saúde são as mais impactadas por nova Lei de Protecao de Dados


27 de agosto de 2018 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Resultado e profissionalização da gestão, este é o nome do jogo na Saúde

É o momento de os hospitais avançarem na profissionalização dos processos de gestão para enfrentar as transformações que estão ocorrendo…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Telemedicina ganha novas aplicações na Saúde Pública

Especialista ressalta que o uso da tecnologia e a comunicação virtual já são usados em diversos países Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Líder de área e dono de processos: qual a diferença e importância na gestão

O papel e perfil de cada profissional é marcante na garantia de rotinas executadas de forma correta e na entrega…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos