Voltar

Pilares da Governança na gestão hospitalar

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Gestão fortalecida por conselhos profissionalizados e isentos garante resultados financeiros e melhoria na assistência

Por Editorial GesSaúde

Resultados e qualidade de serviço são alguns dos fatores que permitem o andamento equilibrado e seguro de organizações de Saúde. Em um mercado em constante transformação, a governança corporativa promove clareza nas operações, monitoramento de práticas legais e em conformidade com os objetivos e missão da instituição.

De acordo com o professor das universidades Fundação Álvares Penteado (FECAP) e Faculdade de Tecnologia de São Paulo (Fatec), Aimar Martins Lopes, a governança é importante para a maturidade da gestão, uma vez que provê estrutura e organização dos interesses de todos os envolvidos com a organização. “A governança é a forma de ter uma estrutura clara, transparente, com controles, monitoramento, incentivos de crescimento. É preciso estabelecer tudo isso dentro de um planejamento”, explicou o docente.

Alinhar estratégias e estruturar o plano diretor são pilares da governança, conforme indica Lopes. “Primeiro, o hospital deve saber quem é, ou seja, partir para uma administração estratégica: qual é sua visão, sua missão, propósito e objetivos. A governança vai fazer um alinhamento dessas estratégias e definir um plano diretor corporativo alinhado com os planos de ação, dentro da cadeia de valor do hospital. Somente então serão estabelecidas regras, informações, controles e transparência para todos os envolvidos”, destacou.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, os pilares da governança podem ser reconhecidos em quatro princípios de gestão:

  • Transparência – Consiste no desejo de disponibilizar para as partes as informações que sejam de seu interesse, e não apenas aquelas impostas por disposições de leis ou regulamentos. Não deve se restringir ao desempenho econômico-financeiro, contemplando também os demais fatores (inclusive intangíveis) que norteiam a ação gerencial e que condizem à preservação e à otimização do valor da organização.
  • Equidade – Caracteriza-se pelo tratamento justo e isonômico de todos os sócios e demais partes interessadas (stakeholders), levando em consideração seus direitos, deveres, necessidades, interesses e expectativas.
  • Prestação de Contas (accountability) – Os agentes de governança devem prestar contas de sua atuação de modo claro, conciso, compreensível e tempestivo, assumindo integralmente as consequências de seus atos e omissões e atuando com diligência e responsabilidade no âmbito dos seus papéis.  
  • Responsabilidade corporativa – Os agentes de governança devem zelar pela viabilidade econômico-financeira das organizações, reduzir as externalidades negativas de seus negócios e suas operações e aumentar as positivas, levando em consideração, no seu modelo de negócios, os diversos capitais (financeiro, manufaturado, intelectual, humano, social, ambiental, reputacional, etc.) no curto, médio e longo prazos.

A gestão amparada pela governança permite o alinhamento dos objetivos de forma clara para todo o corpo diretivo e também estabelece um nível de qualidade para os serviços prestados junto à sociedade. Ainda conforme o professor do Centro Universitário São Camilo, quanto maior o nível de governança corporativa, melhor será para o crescimento e desenvolvimento da organização. “A organização deve ter uma hierarquia bem clara, estabelecer quem está na liderança, estabelecer cronograma de reuniões e acompanhamento dos projetos e registro para mostrar a evolução da organização aos envolvidos. E, claro, tem de haver um conselho isento para orientar a tomada de decisões e ações”.

Conselhos

Governança implica em segmentar a direção do hospital em conselhos de amparo à tomada de decisões. Segundo Lopes, os dois principais grupos diretivos são o administrativo e o consultivo, sendo que as responsabilidades de cada um são estabelecidas pelo estatuto do hospital.

  • Conselho administrativo: tem mais responsabilidade, representa os acionistas e mantenedores, os envolvidos podem responder até judicialmente. O foco é garantir a transparência. É preciso separar a gestão da propriedade;
  • Conselho consultivo: compõe a gestão do hospital junto com os diretores e daqueles que tomam decisões. Esse grupo, conforme o especialista, tem menos responsabilidade, faz orientações, troca experiências, os executivos tomam decisões, assumem os riscos e as questões da empresa.

A Saúde está vivenciando um momento de transformações, que se convenciona chamar de tempestade perfeita. E uma das formas de se manter longe do afogamento é compreender a importância de profissionalizar a gestão, mantendo o cliente no centro do negócio e garantindo que a eficácia da organização seja reconhecida com a qualidade do serviço e a segurança dos pacientes.

Saiba mais:

Departamento financeiro: controles para evitar o vermelho

Como as evidências apoiam as farmácias clínicas e trazem segurança na prescrição de medicamentos

Atendimento ao SUS demanda gestão de recursos e otimização financeira


4 de abril de 2019 | Atualizado dia 4 de abril de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Medicina preventiva e a utilização de Práticas Integrativas

Prevenção e promoção da saúde fornecem melhor qualidade no atendimento e cuidado ao paciente Por Priscilla Martins* Devido às transformações…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão de processos: inovação e tecnologia na condução de rotinas

A transformação no mercado da Saúde exige uma mudança no mindset das organizações, o que implica na gestão de processos…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Elementos de qualidade para garantir uma boa jornada do paciente

Especialista explica como organizações de Saúde podem oferecer experiência positiva para usuário e familiares Por Editorial GesSaúde Medir a satisfação…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos