Voltar

STF suspende provisoriamente aumento de planos de Saúde

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Especialistas apontam que atual modelo de remuneração visa lucro sobre doenças de pacientes

Por editorial GesSaúde

Sistema de Doenças: atual modelo de remuneração visa lucro sobre doenças de pacientes. Foto: Pixabay

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, suspendeu na segunda-feira (16) a Resolução Normativa 433/2018 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que altera regras de coparticipação e franquias dos planos de Saúde. A decisão é provisória, mas coloca em pauta uma problemática cultural da Saúde brasileira: a ineficácia dos atuais modelos de remuneração e monetização praticados pelas organizações do setor.

Conforme informações do STF, a resolução questionada, entre outras atribuições, previa que os beneficiários dos planos de assistência à saúde pagariam até 40% do valor de procedimentos como consultas e exames no modelo de coparticipação, além de introduzir a modalidade de franquia para firmar novos contratos. Na decisão, a ministra escreveu que “Saúde não é mercadoria. Vida não é negócio. Dignidade não é lucro. Direitos conquistados não podem ser retrocedidos, sequer instabilizados.”

Para Fernando Teles de Arruda, coordenador adjunto do curso de medicina da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), o aumento nos preços cobrados pelos planos de Saúde é parte de um problema maior. “As formas de remuneração atualmente praticadas no setor permitem desequilíbrios ora para as operadoras, ora para o hospital. São tentativas de ambos os lados para ampliar o lucro, baseadas no pagamento por serviços e na contestação dos valores, as chamadas glosas”, salientou.

De acordo com o especialista, os serviços de Saúde do País são focados na doença do paciente, e não em mantê-lo saudável. “E aí está o problema: nesse tipo de serviço, ninguém está se preocupando com a saúde do paciente. Na verdade, quanto mais doenças ele tiver, mais serviços serão necessários, o que equivale a mais gastos. Temos um sistema inteiro baseado em doença”, comentou.

O foco no atendimento de qualidade para o paciente também foi levado em consideração pela ministra Cármen Lúcia. “A confiança em todo o sistema não pode ser diminuída ou eliminada por normas cuja correção formal é passível de questionamento judicial”, salientou a presidente do STF, observando que a tutela do direito fundamental à saúde do cidadão brasileiro é urgente, assim como a segurança e a previsão dos usuários dos planos de saúde quanto a seus direitos.

Arruda acredita que uma das formas de garantir essa qualidade e a sustentabilidade das organizações no futuro é exatamente a mudança no modelo de remuneração. “Um modelo que leve em conta a qualidade e segurança do paciente pode responder a muitos desses problemas. Mas, para isso, o sistema precisa enxergar a saúde como foco, não mais a doença”, destaca o especialista.

Saiba mais:

Saúde 4.0: impactos na cadeia de prestação de serviço na Saúde

A grande revolução na gestão da Saúde é combinar tecnologia, processos e pessoas

Quem disse que Santa Casa só dá prejuízo


17 de julho de 2018 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão Hospitalar

Value-based Healthcare: estratégia para melhorar a qualidade e reduzir os custos

Conceito otimiza a gestão hospitalar fornecendo valor nos serviços de Saúde e ampliando a experiência do cliente Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Resultado e profissionalização da gestão, este é o nome do jogo na Saúde

É o momento de os hospitais avançarem na profissionalização dos processos de gestão para enfrentar as transformações que estão ocorrendo…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Telemedicina ganha novas aplicações na Saúde Pública

Especialista ressalta que o uso da tecnologia e a comunicação virtual já são usados em diversos países Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos