Voltar

TI estratégica para evoluir a maturidade de gestão hospitalar

Setor alinhado à estratégia da organização de Saúde ajudará a mudar o perfil dos hospitais em um futuro que já chegou

por Roberto Gordilho

Da década de 1980 – quando a empresa que fundei lançou a primeira solução integrada de gestão empresarial (ERP) da Bahia – até hoje, houve uma evolução no peso e importância que o departamento de Tecnologia da Informação (TI) tem para as empresas, especialmente as organizações de Saúde. E muito ainda está por vir. As mudanças recentes, impulsionadas pela digitalização dos processos, pedem uma TI técnica, mas também com muito mais visão estratégica. Isso porque quando pensamos em todos os elementos que levam à maturidade de gestão hospitalar, como governança, estratégia, processos e pessoas, a TI precisa ser aquele que dá liga aos demais.

Transformação digital: prepare o hospital para essa onda

Sabe quando usamos o telefone para fazer uma ligação? Ele simplesmente funciona, sem que pensemos como isso acontece. Deve ser assim com o operacional da TI, que é aquele que mantém computadores e softwares em funcionamento. Ele deve simplesmente funcionar, para que, assim, a TI possa assumir seu verdadeiro papel.

A mudança se dá com o avanço das inovações tecnológicas, tais como big data, wearable devices e inteligência cognitiva, todas trabalhando em prol da saúde do paciente. É por meio dessas e de outras tecnologias que surgirão que o hospital poderá colher uma infinidade de dados sobre cada indivíduo atendido. Esses dados, trabalhados e processados por tecnologias e, claro, especialistas de TI, possibilitarão que se identifiquem padrões que permitam uma mudança processual e gerencial que transformará a forma de trabalhar. Isso mudará também o papel do hospital, que vai, de fato, se transformar em uma instituição de saúde, como escrevi no artigo A transformação digital vai, enfim, fazer dos hospitais instituições de saúde.

Será possível praticar a preditividade, que é a capacidade de identificar potencial de desenvolvimento de doenças, considerando o histórico pessoal, familiar e estilo de vida da pessoa. Isso é uma revolução para a medicina. A TI será a condutora desse processo, por meio da transformação digital, que permitirá identificar gargalos, pontos de melhoria, trabalhar questões de eficiência de uma forma não só ligada à operação, mas no sentido de qualidade global e segurança da informação, com o conceito do eletrônico fim a fim em  que o paciente está no centro.

Conduzir a mudança do papel da TI nas organizações de Saúde é um desafio que pode ser facilitado pela maturidade de gestão hospitalar, ao mesmo tempo em que ajuda a elevá-la. Muitos gestores enfrentam dificuldades em ampliar a visão do hospital, a fim de estabelecer a equipe de tecnologia como um recurso também nas estratégias de cuidado em saúde. Nesse sentido, é fundamental que a TI seja proativa nas atividades, se comunicando constantemente com as demais áreas em busca de soluções e melhorias nos processos de trabalho.

E além da comunicação entre os colaboradores, a TI também deve manter o seu planejamento, metas e acompanhamento dos resultados alinhados à estratégia do hospital, otimizando os custos e adequando processos e sistemas ao planejamento estratégico traçado pela instituição.

Assim como assisti à transformação da tecnologia ao longo desses 30 anos de carreira, agora acompanho também, com anseio, essa mudança do setor de TI que, enfim, fará com que o paciente ganhe mais qualidade de vida e saúde.

Roberto Gordilho é fundador da GesSaúde, mestrando em administração, especialista em sistemas de informação, engenharia de software, desenvolvimento web e em finanças, contabilidade e auditoria, possui mais de 30 anos de experiência nas áreas de tecnologia e gestão, sendo 15 na área da Saúde.

Saiba mais:

Big data: como a tecnologia ajuda a melhorar a saúde

Como evoluir a maturidade de gestão hospitalar com a transformação digital

Tecnologias de gestão são subutilizadas em hospitais

Foto: Depositphotos


19 de setembro de 2017 | Atualizado dia 19 de setembro de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Maturidade de gestão

Desafios da Saúde: o hospital como prestador de serviços

Com falência do fee-for-service, instituições devem colocar paciente no centro do modelo de monetização por editorial GesSaúde O fee-for-service, modelo…Leia mais.

Governança Corporativa

Governança corporativa e a difícil tarefa de interpretar a norma

Programas de compliance têm como desafio transformar conteúdo normativo em ações práticas da rotina hospitalar por Agnaldo Bahia Governança corporativa…Leia mais.

Plano terapêutico: todo paciente merece um para chamar de seu

Documento facilita a comunicação entre profissionais e pacientes e o gerenciamento administrativo de leitos por Alexandre Bomfim No artigo de…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos