Voltar

Transformação digital exige ampliar foco do profissional de Saúde para promoção e prevenção

Desenvolvimento de novas tecnologias muda perfil dos hospitais e pede mais atenção à gestão de pessoas

por editorial GesSaúde

A digitalização da Saúde permite suporte mais assertivo às decisões clínicas, o que promove melhor qualidade da atenção e maior segurança ao paciente – consequentemente, torna o atendimento mais eficiente e humanizado. Com o avanço da transformação digital, o hospital deixará de ser uma organização que ganha apenas com a doença e passará a ser remunerado também por promoção da qualidade de vida – status que demanda mudança na cultura organizacional e, claro, na gestão de pessoas.

Hospital: a equipe está sendo preparada para a transformação digital?

Segundo Cristina de Araujo Lasevicius, coordenadora do curso de pós-graduação de gestão de qualidade e segurança do paciente do Senac Tiradentes, com a implantação de  tecnologias no hospital, os profissionais precisam registrar as informações com um nível mínimo de detalhes – estabelecido pelo próprio sistema. Esse parâmetro garante confiabilidade e facilita o acesso. “Esse banco de dados poderá ser fonte de informação e nortear a administração do hospital. Sendo assim, a gestão de pessoas precisa ser feita de forma a que os profissionais compreendam a dimensão de seu papel na coprodução da digitalização do sistema de Saúde.”

A especialista destaca ainda a relevância de associar ferramentas de suporte à tomada de decisão clínica – como sistema de apoio ao diagnóstico e tratamento  baseados em evidências científicas – aos prontuários eletrônicos. Cita ainda a utilização de machine learning e inteligência artificial, que permite, por meio da “leitura” das informações dos pacientes, juntamente com a interpretação de artigos, publicações e cases, proporcionar recomendações de protocolos e esquemas de tratamento. A utilização de Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) também possibilita que o paciente envie online, de forma instantânea, dados de monitoramento de sua saúde para esse mesmo prontuário, o que ajudará a monitorar a evolução do tratamento e a necessidade de mantê-lo ou alterá-lo. “Tudo isso só se torna possível no ambiente hospitalar com a participação de cada funcionário e equipe no pleno uso das tecnologias”, enfatiza Cristina.

Nesse contexto, a especialista acredita que a medicina preventiva se torna essencial para a sustentabilidade do sistema e deve estar cada vez mais incorporada à atenção. “Assim, o hospital passa a ser mais um elemento da rede, porém, não sendo prioritariamente a porta de entrada para o sistema de Saúde. Deverá haver um sistema de tecnologia da informação capaz de integrar os dados do usuário ao longo de todo o sistema e que seja disponível para os gestores, profissionais de Saúde e, principalmente, para o próprio paciente, que deverá se engajar em seu cuidado.”

Já a medicina preditiva, por sua vez, permitirá atendimento cada vez mais individualizado e personalizado, conforme Cristina. Cruzar dados estruturados – de sistemas informatizados – e desestruturados – o chamado big data -,  com apoio de ferramentas como Business Intelligence e e analytic, permitirá, por exemplo, verificar a probabilidade de uma mulher ter câncer de mama, considerando histórico familiar, grupos de risco que ela integra, estilo de vida entre outros. “A tecnologia poderá ajudar, então, a orientar o médico na tomada de decisões radicais, como a realização de uma mastectomia preventiva”, complementa Cristina.

Isso dará ao departamento de recursos humanos a missão de selecionar profissionais alinhados a esse perfil de prevenção e utilização de tecnologias, e capacitar os colaboradores que já integrarem o corpo clínico. O papel do médico terá uma mudança significativa. Atualmente, no modelo de organização para tratar doenças, esse profissional passa praticamente 100% do tempo focado em recuperar o paciente, não necessariamente em promover o bem-estar e qualidade de vida de pessoas já saudáveis. “Para a sustentabilidade do sistema, o modelo de atenção deve valorizar as ações de prevenção e promoção. Os sistemas atuais ainda são organizados para atender prioritariamente às condições agudas e as situações de agudização das condições crônicas. Além disso, são bastante fragmentados, produzindo ações reativas e episódicas, o que não está mais se sustentando.”

Atenção primária

A especialista acredita que, antes de pensar no perfil dos médicos e demais profissionais, é preciso uma mudança do sistema. “O paciente deve buscar, na atenção primária, a resolução da maioria dos problemas, não tendo o hospital como porta de entrada. Algumas operadoras de Saúde vêm tentando se aproximar desse modelo, propondo o acompanhamento de pacientes com determinados perfis – como os hiperutilizadores, doentes crônicos com maiores riscos para hospitalização,  entre  outros – por médicos de família. Portanto, cada vez mais os profissionais de Saúde deverão focar nas ações de promoção e prevenção.”

Para a gestão de pessoas, todas essas alterações trarão também a necessidade de promover a nova cultura organizacional e o investimento na capacitação e treinamento dos profissionais, segundo Cristina. “As equipes deverão ter a consciência de que se trata não apenas de coletar e armazenar os dados, mas de analisá-los de forma eficiente, gerando informação de qualidade e disponíveis para a construção do conhecimento e o incentivo à promoção da saúde.”

Saiba mais:

Gestão de pessoas: como evoluir as lideranças do hospital

Gestão de pessoas: como ser digital na operação e humano no trato com o paciente

O impacto da gestão de pessoas nos resultados das instituições hospitalares

Foto: Depositphotos


28 de novembro de 2017 | Atualizado dia 27 de novembro de 2017


ÚLTIMAS POSTAGENS

Governança Corporativa

A contramão do quartel na governança corporativa da gestão hospitalar

Para vencer as batalhas cotidianas do setor de Saúde, equipes precisam de comandantes maduros por Anderson Freitas Sempre se fala…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Como o gestor deve encarar as inovações tecnológicas na Saúde?

Líder deve estar preparado e ter maturidade de gestão para conduzir a transformação digital por André Farias Com a evolução…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Como o jurídico pode participar e contribuir com a gestão de organizações de Saúde

Com intensa regulação do setor, departamento deve ter ação diferenciada e estratégica para fazer a diferença nos hospitais por Agnaldo…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos