Como a maturidade de gestão hospitalar reflete na certificação HIMSS - GesSaúde
Voltar

Como a maturidade de gestão hospitalar reflete na certificação HIMSS

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Acreditação serve de guia para gestores que almejam atingir o status de Hospital Digital,  a fim de ampliar a qualidade do atendimento e a segurança do paciente

por editorial GesSaúde

A certificação da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS – Sociedade de Informação em Saúde e Sistemas de Gestão) Analytics, organização que lidera os esforços globais para otimizar a Saúde e a assistência médica por meio da tecnologia da informação (TI), é cobiçada por hospitais que buscam digitalizar seus processos. Para alcançar o status, porém, é necessário evoluir a maturidade de gestão hospitalar.

Como evoluir a maturidade de gestão hospitalar com a transformação digital

Claudio Giulliano, consultor da Folks, explica que  a certificação da HIMSS funciona de maneira similar a qualquer acreditação hospitalar, com a diferença de avaliar se os processos assistenciais estão, de fato, apoiados e automatizados por sistemas e tecnologias digitais. “Antes de mais nada, é preciso que o hospital tenha seus processos mapeados e desenhados, a fim de identificar de que forma a tecnologia pode auxiliar na execução das atividades. Os requisitos da HIMSS servem como um guia para os gestores que pretendem transformar a organização em um Hospital Digital”, destaca.

O modelo de adoção de prontuário eletrônico (Eletronic Medical Record Adoption Model, ou Emram) da HIMSS é dividido em oito estágios, a saber:

Estágio 0 – sistemas LIS (laboratório), RIS (radiologia) e PHIS (farmácia) não estão instalados ou não são integrados.

Estágio 1 – sistemas para laboratório, radiologia e farmácia instalados e integrados.

Estágio 2 – repositório de dados clínicos (CDR) instalado, com vocabulário médico controlado (CMV) e apoio à decisão clínica, além de intercâmbio de informações clínico-assistenciais.

Estágio 3 – documentação de enfermagem disponível no prontuário eletrônico, apoio à decisão clínica com checagem de erros e Sistema de Arquivamento e Comunicação de Imagens (Picture Archiving and Communication System – PACS) disponível fora da radiologia.

Estágio 4 – Sistema de prescrição eletrônica instalado e sistema de apoio à decisão clínica baseado em protocolos clínicos.

Estágio 5 – PACS com as principais modalidades de diagnósticos e eliminação do uso de filme radiológico (filmless).

Estágio 6 – circuito fechado de medicamentos com checagem beira leito, documentação médica integrada aos sistemas de apoio à decisão clínica.

Estágio 7 – PEP completo e em uso em todos os setores do hospital, com integração para o compartilhamento de informações clínicas e uso de BI e analytics para melhoria da assistência.  

Os estágios 6 e 7, conforme Giulliano, são os mais complexos e que requerem maturidade de gestão hospitalar mais elevada. Tanto que, no Brasil, somente a Unimed Recife alcançou o nível 7 e outros 15 hospitais estão no nível 6 do Enram. Para o especialista, é preciso que o hospital encare o projeto como uma estratégia empresarial. “Os gestores do hospital precisam primeiramente querer que a instituição seja diferenciada, mais segura para o paciente e com maior eficiência. Se a organização sabe que precisa alcançar essa meta, e certamente todas precisam, a HIMSS é um guia. Para conseguir a certificação nos estágios mais elevados, é preciso uma análise profunda do papel da tecnologia em cada processo hospitalar.”

O especialista alerta ainda que o projeto não pode ser visto como uma ação do departamento de TI, mas depende de atuação estratégica da equipe para sair do papel. “Trata-se de um projeto de transformação digital que permeia todas as equipes hospitalares e deve ser feito com a participação de todos os funcionários, do assistencial ao backoffice. É preciso rever os processos e até mesmo incorporar outros para alcançar os objetivos propostos e ser certificado. A TI tem papel importante na condução das ações, mas precisa estar alinhada com os objetivos de negócio da instituição”, afirma.

Interoperabilidade

Giulliano afirma que a HIMSS preconiza a interoperabilidade interna em primeiro lugar. “Isso significa que, para ser acreditado no Estágio 6, é necessário que diferentes sistemas estejam integrados entre si. O sistema da prescrição tem de estar integrado com o da farmácia, o do prontuário eletrônico com o de diagnóstico por imagem e assim por diante.”

Já para o Estágio 7 é exigida a interoperabilidade externa, ou o compartilhamento de dados com instituições parceiras, principalmente a operadora de Saúde. “Para tanto, é preciso ainda mais maturidade de gestão hospitalar, um desafio ainda enfrentado pela maioria das organizações, pois o compartilhamento de informações, mesmo que referentes ao paciente, ainda não é uma prática comum”, avalia Giulliano.

Garantir os requisitos solicitados pela HIMSS, portanto, não mostra ao mercado apenas um Hospital Digital, mas também um hospital que evoluiu sua maturidade de gestão de forma a enxergar a tecnologia como um meio para alcançar resultados, sendo os principais a segurança e a qualidade do atendimento ao paciente.

Saiba mais:

Ebook: O perfil do líder que conduz à maturidade de gestão hospitalar

TI estratégica para evoluir a maturidade de gestão hospitalar

Maturidade de gestão hospitalar ajuda a evitar glosas

Foto: Depositphotos


3 de outubro de 2017 | Atualizado dia 16 de janeiro de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Gestores extraordinários: o passo a passo para o sucesso

Roberto Gordilho apresenta curso inovador para todos que ocupam ou querem ocupar cargos de gestão e se tornarem gestores extraordinários…Leia mais.

Gestão da Saúde

Maturidade de gestão: vídeos mais acessados de 2019

Roberto Gordilho apresenta os conceitos mais relevantes para a maturidade de gestão na Saúde no canal GesSaúde do Youtube Por…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão hospitalar: 10 artigos mais lidos do Portal GesSaúde

2019 foi um ano de transformações na Saúde em que os principais conceitos de gestão hospitalar foram fundamentais para os…Leia mais.

Gestão da Saúde

Ação imediata: entenda como o gestor pode usar essa estratégia

Plano de ação imediata é uma ferramenta de correção de erros a fim de antever cenários e determinar a melhor…Leia mais.

Gestão da Saúde

O plano de ação para organizações de Saúde

Ferramenta de acompanhamento do planejamento, o plano de ação é fundamental para atingir metas e objetivos Por Editorial GesSaúde Como…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas

Estabelecer metas, avaliar e metrificar resultados fazem parte do processo do planejamento em Saúde Por Editorial GesSaúde A operação dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos