Voltar

Gerenciamento de processos hospitalares: uma visão horizontal

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Metodologia impacta diretamente nos resultados porque permite que a organização conheça o encadeamento das suas operações

Por Fabiana Freitas

Desconhecer processos é uma falha que acomete muitas organizações de Saúde e que pode levar a decadência do negócio. A falta de padronização de processos se reflete em sintomas que toda e qualquer empresa de Saúde procura evitar: redução do nível de segurança do paciente, baixa qualidade nos serviços, aumento de reclamações de clientes, retrabalho entre setores, perda de timing para tomada de decisões, aumento de custos, etc. – o que é provocado pela falta de sincronização das operações e consequente perda de eficiência.

Para ter uma gestão efetiva da execução das operações é fundamental ter uma visão por processos. Isso implica em uma mudança do modelo mental da instituição e um engajamento de todos que estão envolvidos com o hospital, dos gestores estratégicos, equipe tática à equipe operacional. Os processos devem ser mapeados e desenhados com uma perspectiva horizontal, de forma a representar a operação contínua e com fluidez (ponta a ponta), as barreiras departamentais devem ser quebradas, e o paciente, que prefiro chamar de cliente ( pois hoje as pessoas têm expectativas maiores que a cura, buscam segurança, qualidade, humanização, respostas, etc.)  deve ser colocado no centro da definição dos processos.

A gestão por processos se reflete em atendimento seguro e de qualidade para o Cliente, caminho do paciente, ao mesmo tempo que garante o faturamento, o pagamento por parte das operadoras e a redução do ciclo financeiro, o caminho do dinheiro. Por isso, a melhoria e aumento da eficiência dos processos deve ser preocupação constante do gestor hospitalar.

E a pergunta que fica é: o que fazer para implementar o gerenciamento de processos? É possível buscar a solução dentro da própria organização: a instituição pode implantar uma gestão orientada a processos, passando pelas etapas de planejamento, análise, desenho, implementação, monitoramento e por fim o refinamento – o cíclo do BPM (Business Process Management, ou Gerenciamento de Processos de Negócio). Há ainda consultorias especializadas no tema e focados em auxiliar gestores a atingir o nível de gerenciamento eficaz dos processos. Mas, para dar certo, é preciso haver vontade, mudança de cultura e engajamento. Ou seja, o gerenciamento de processos também depende de pessoas.

Fabiana Freitas é sócia da GesSaúde. Administradora, também é especialista em gerenciamento de processos com foco em BPM e modelagem por BPMN. Possui especialização em desenvolvimento e gerenciamento integrado, bem como logística empresarial

Saiba mais:

Design Thinking na gestão de Saúde

Judicialização cresce e se torna um dos maiores desafios da Saúde

Avaliação de custos na gestão de Saúde

 


13 de setembro de 2018 | Atualizado dia 16 de outubro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Certificações e acreditações atestam qualidade das organizações de Saúde

Uma instituição regida por normas oficiais obtém não apenas um diferencial mercadológico, mas também fornece confiança aos clientes Por Priscilla…Leia mais.

Gestão da Saúde

Process mining como estratégia de melhoria da jornada do paciente

Especialista apresenta as vantagens de aliar às novas tecnologias, como a inteligência artificial,  para um percurso assistencial mais orientado ao…Leia mais.

Gestão da Saúde

Estratégias de comunicação eficaz entre as equipes e pacientes

Times de atendimento precisam estar amparados por processos claros de comunicação e aproximar o paciente das informações transmitidas Por Priscilla…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos