Medicina preventiva: uma nova forma de gestão para a Saúde - GesSaúde
Voltar

Medicina preventiva: uma nova forma de gestão para a Saúde

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Especialista explica os motivos de o atual modelo de operação das organizações de Saúde não ser sustentável

Por Editorial GesSaúde

Nas últimas semanas o mercado de Saúde vivenciou períodos de turbulência, com operadoras reduzindo custos, além da decisão da Agência Nacional de Saúde (ANS) de suspender a venda de mais de 50 planos. Reclamações de beneficiários, crise financeira e diversos problemas operacionais acarretaram a reviravolta que o setor está passando. Especialistas explicam que um dos motivos que levou essa decaída é a gestão voltada para apenas tratamento e cura de enfermidades, em detrimento de serviços focados para a prevenção e melhoria da saúde dos pacientes. A medicina preventiva é vista como uma das melhores formas de garantir a sustentabilidade do negócios, além de oferecer atenção maior aos usuários.

Porém, essa mudança na gestão da Saúde exige preparo não apenas das organizações, mas, principalmente, dos gestores e profissionais ligados às tomadas de decisão. “A mudança está acontecendo de forma muito rápida e o número de profissionais que estão se preparando e buscando conhecimento, buscando a maturidade ainda é pequena. Estamos vendo grandes empresas que estão abraçando o mercado com muita facilidade, pois têm muito dinheiro, são verticalizadas e têm essa facilidade do controle econômico. Então o planejamento econômico, financeiro, estratégico, é fundamental”, avaliou o médico Rodrigo Leite, CEO da FSL Governance e especialista em gestão hospitalar.

Oferecer serviços de prevenção, envolver o paciente no cuidado da própria saúde, são formas de gestão que podem oferecer maior eficiência e segurança ao paciente. “Não existe outra forma de pensarmos a Saúde se não for por meio da prevenção. Cuidado antecipado. Quando estudamos gestão de tempo, o Cristian Barbosa costuma falar muito disso, que precisamos nos antecipar. Se temos que fazer algo na sexta, que ela seja feita na quarta. E a Saúde tem de ser assim. A gente não pode esperar chegar no atendimento um paciente com dedo necrosado por conta do pé diabético. Isso acontece pois a organização não cuidou desse paciente na atenção básica, não teve um cuidado para fazer a glicemia, para saber se a medicação está sendo tomada de forma correta, se o paciente está tendo uma boa resposta”, exemplificou o médico.

Sobre a relação entre operadoras e hospitais, Leite ressalta a falta de dinamismo entre as empresas o que acaba por gerar problemas como as glosas, por exemplo, além de deixar o paciente na margem do cuidado. “É uma relação de perde e ganha, pois, quando o plano de Saúde não gasta dinheiro, o hospital não está ganhando. Então o plano ganha e o hospital perde. Quando o hospital consegue, por exemplo, uma internação para procedimento cirúrgico, pede uma porção de material paga medicação, utiliza OPMEs (Órteses, Próteses e Materiais Especiais), o hospital ganha ao apresentar uma conta hospitalar altíssima, por outro lado, o plano perde. Nesse tipo de relação sempre vamos encontrar uma disputa desigual e nesse meio do caminho está o paciente. Por isso, esse modelo não se mantém sustentável”, afirmou o especialista. 

Planos de Saúde

Em agosto, a ANS suspendeu a venda 51 planos de saúde de 10 operadoras. Conforme o órgão federal, o principal motivo para essa determinação foi o aumento das reclamações dos consumidores. Para voltar a comercializar os produtos, as empresas são obrigadas a aplicar estratégias de melhoria nos serviços para a redução das reclamações. Foi o que aconteceu com outras 11 operadoras que a partir da primeira quinzena de setembro podem voltar a oferecer no mercado 28 planos de saúde.

Leia também:

Modelos de remuneração: novos desafios para as organizações de Saúde

Process mining: Unimed Ponta Grossa amplia qualidade assistencial

Saúde digital: como preparar a organização para adoção de novas tecnologias


5 de setembro de 2019 | Atualizado dia 6 de janeiro de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Gestores extraordinários: o passo a passo para o sucesso

Roberto Gordilho apresenta curso inovador para todos que ocupam ou querem ocupar cargos de gestão e se tornarem gestores extraordinários…Leia mais.

Gestão da Saúde

Maturidade de gestão: vídeos mais acessados de 2019

Roberto Gordilho apresenta os conceitos mais relevantes para a maturidade de gestão na Saúde no canal GesSaúde do Youtube Por…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão hospitalar: 10 artigos mais lidos do Portal GesSaúde

2019 foi um ano de transformações na Saúde em que os principais conceitos de gestão hospitalar foram fundamentais para os…Leia mais.

Gestão da Saúde

Ação imediata: entenda como o gestor pode usar essa estratégia

Plano de ação imediata é uma ferramenta de correção de erros a fim de antever cenários e determinar a melhor…Leia mais.

Gestão da Saúde

O plano de ação para organizações de Saúde

Ferramenta de acompanhamento do planejamento, o plano de ação é fundamental para atingir metas e objetivos Por Editorial GesSaúde Como…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas

Estabelecer metas, avaliar e metrificar resultados fazem parte do processo do planejamento em Saúde Por Editorial GesSaúde A operação dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos