O papel do gestor no gerenciamento dos processos hospitalares - GesSaúde
Voltar

O papel do gestor no gerenciamento dos processos hospitalares

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Mudança de cultura organizacional necessária para gerenciar processos depende da evolução da maturidade de gestão

Por editorial GesSaúde

O gerenciamento de processos hospitalares é importante ferramenta para medir a qualidade do ambiente das organizações de Saúde, por meio do planejamento e monitoramento das rotinas. Com ele é possível definir as metas e corrigir o rumo quando necessário. Mas, sem um gestor comprometido e com elevado nível de maturidade de gestão, a metodologia, sozinha, não é capaz de trazer os resultados esperados.

O gestor deve estar à frente de todo o planejamento para identificação, implantação e revisão dos processos de um hospital ou de sua área. Caso ocorram falhas, há impacto nos diversos departamentos e equipes envolvidas em cada processo, conforme a coordenadora do MBA em gestão de Saúde do Centro Universitário São Camilo, Cláudia Raffa. Para a especialista, é preciso mais que informatização para dar conta do recado. “Não adianta investir em softwares sem saber de que forma eles auxiliarão o trabalho da instituição. A mudança de cultura organizacional deve partir do gestor, que precisa se certificar que toda a sua equipe está desempenhando um bom trabalho.”

O gerenciamento de processos auxilia o trabalho do gestor porque, com as rotinas desenhadas, cada um sabe seu papel no desempenho das atividades e, na teoria, não precisa ser supervisionado o tempo todo ao realizá-las, além de ter uma expectativa muito precisa do resultado esperado. Para que isso se torne prática, no entanto, a coordenadora destaca a importância da capacitação dos funcionários, realizada de forma integrada. “O ideal é que todos conheçam as etapas envolvidas nos processos a fim de saber de que forma eventuais erros podem impactar no conjunto.”

Além de capacitadas, as equipes devem estar também engajadas e motivadas, o que depende diretamente do nível de maturidade de gestão hospitalar da organização de Saúde. Os grandes líderes das empresas, incluindo as do setor, precisam de três princípios de trabalho essenciais: liderança, devido ao contato direto com as pessoas; técnica, que lhes garante o conhecimento específico inerente à função; e método, que pode ser traduzido como o caminho para se alcançar resultados.

Auditorias internas

Como parte desse último princípio, é essencial que a revisão periódica integre as políticas de gerenciamento de processos hospitalares, conforme a especialista Cláudia Raffa. Por meio da reavaliação das rotinas é possível identificar onde estão ocorrendo falhas e de que forma corrigi-las. “Processos não podem ser estanques. Eles precisam ser constantemente aprimorados por meio da revisão, porque é impossível alcançar resultados diferentes executando as atividades sempre da mesma maneira. É preciso arriscar por meio de novos processos para, assim, atingir as metas e, mais que isso, melhorá-las.”

A coordenadora do Centro Universitário São Camilo lembra da importância de haver no hospital um setor específico responsável pela realização de auditorias internas dos processos hospitalares. Essa atividade está diretamente ligada à qualidade do serviço prestado pela organização de Saúde e tem como responsabilidade avaliar, de forma integrada, todas as rotinas de trabalho da instituição. “Nesse ponto o papel do gestor também é essencial, pois é ele que irá garantir a liberdade necessária para que os auditores proponham alterações, até mesmo se essas propostas incluírem a mudança do gestor”, explica Cláudia.

A especialista destaca que todos os gestores podem desenvolver as habilidades necessárias para gerenciar processos hospitalares de forma a alcançar as metas da instituição. Para ela, o caminho é a busca constante por conhecimento e aperfeiçoamento. Para se tornar um excelente líder, é preciso desenvolver habilidades técnicas, humanas e conceituais e evoluir a maturidade de gestão hospitalar diariamente – e ao lado de uma equipe forte e comprometida com esse projeto.

Saiba mais:

Maturidade de gestão hospitalar: hospitais devem se juntar para sobreviver

Gerenciamento de processos hospitalares: saiba quando fazer a revisão

Hospital: onde e como implantar gerenciamento de processos

Foto: Pixabay


20 de julho de 2017 | Atualizado dia 17 de janeiro de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Gestores extraordinários: o passo a passo para o sucesso

Roberto Gordilho apresenta curso inovador para todos que ocupam ou querem ocupar cargos de gestão e se tornarem gestores extraordinários…Leia mais.

Gestão da Saúde

Maturidade de gestão: vídeos mais acessados de 2019

Roberto Gordilho apresenta os conceitos mais relevantes para a maturidade de gestão na Saúde no canal GesSaúde do Youtube Por…Leia mais.

Gestão Hospitalar

Gestão hospitalar: 10 artigos mais lidos do Portal GesSaúde

2019 foi um ano de transformações na Saúde em que os principais conceitos de gestão hospitalar foram fundamentais para os…Leia mais.

Gestão da Saúde

Ação imediata: entenda como o gestor pode usar essa estratégia

Plano de ação imediata é uma ferramenta de correção de erros a fim de antever cenários e determinar a melhor…Leia mais.

Gestão da Saúde

O plano de ação para organizações de Saúde

Ferramenta de acompanhamento do planejamento, o plano de ação é fundamental para atingir metas e objetivos Por Editorial GesSaúde Como…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas

Estabelecer metas, avaliar e metrificar resultados fazem parte do processo do planejamento em Saúde Por Editorial GesSaúde A operação dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos