Voltar

Os desafios do atual modelo de remuneração dos serviços médicos

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Modelo atual de remuneração com base em procedimentos realizados estimula a quantidade, não a qualidade.

Por Editorial GesSaúde

Os conflitos de interesse entre operadoras e organizações prestadoras de serviços de Saúde pode refletir de forma direta na remuneração dos serviços médicos. A relação entre hospital e profissionais atualmente é majoritariamente pautada por plantões e remuneração de honorários por procedimentos realizados. O modelo atual torna mais desafiador garantir qualidade e segurança, já que podem existir casos em que aumentar o volume de exames e insumos gastos em um atendimento pode ser uma alternativa para gerar receita para a cadeia prestadora.

As falhas dos modelos atuais de remuneração são sentidos por todas as pontas da cadeia: operadora, hospital, médicos e, principalmente, os pacientes. A Saúde Suplementar ainda é refém do fee-for-service, que, mesmo em fase de grande questionamento, segue priorizando quantidade ao invés de qualidade. “É um modelo que tende ao fim. Precisamos de uma mudança, pois ele dificulta o trabalho do médico, inviabiliza o acesso do paciente aos serviços de Saúde, além de ter um custo muito alto para os hospitais e operadoras”, comentou o médico Rodrigo Leite, CEO da FSL Governance e especialista em gestão hospitalar.

Conforme Rodrigo Leite, essa relação com o modelo de remuneração da Saúde implica que o médico deve aumentar o volume de consultas por turno, reduzindo o tempo de cada uma delas e, consequentemente, limitando a qualidade e atenção ao paciente. “Para que o médico aumente a rentabilidade, ele se vê na obrigação de ampliar o número de consultas por turno. A anamnese pode ser prejudicada, e o paciente sente isso. As consultas são focadas em perguntas direcionadas, podendo, em alguns casos, impedir que o paciente relate detalhes que poderiam otimizar o diagnóstico.”

O hospital recebe pelo o que é produzido, assim como o médico. Medicamentos e insumos para o tratamento devem ser justificados à operadora para garantir o retorno do que foi gasto. Nesse tipo de relação, o médico, que é um profissional liberal, é induzido a focar o atendimento principalmente em produtividade. Quanto maior for o número de pacientes atendidos, exames solicitados e procedimentos expedidos, maior será o retorno financeiro tanto para o profissional quanto para o hospital. “Atualmente o mercado opera da seguinte forma: dos valores pagos pelas operadoras, uma parte é repassada ao médico. Ou seja, ele recebe um percentual do valor da consulta ou procedimento. Para que consiga rentabilizar o trabalho, ele deve aumentar o horário de atendimento ou o número de pacientes.”

Além de reduzir os intervalos entre atendimentos e a atenção efetiva na consulta, muitas vezes os médicos atuam em mais de um hospital. Para as organizações de Saúde, esse modelo impede o engajamento do profissional com a missão e valores da instituição, ao mesmo tempo que dificulta o foco completo no tratamento do paciente, além de reduzir a qualidade de vida do médico que precisa trabalhar em vários lugares diferentes.

Um dos grandes desafios da Saúde neste momento é encontrar formas de fazer a transição de modelo de uma cadeia tão complexa e sensível que traga como retorno, além do equilíbrio financeiro do sistema, um novo padrão de relacionamento entre operadora, hospital, médicos e paciente focado na qualidade do serviço, que seja mais humano e resolutivo.

Saiba mais:

Tendências em Saúde para serem acompanhadas em 2019

Operadoras de Saúde: menos beneficiários, mais concentração

Saiba como lidar com a tendência da verticalização das operadoras de saúde


5 de fevereiro de 2019 | Atualizado dia 5 de fevereiro de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Remuneração por valor: maior segurança para o paciente e para o negócio

Especialista explica como as organizações de Saúde podem se beneficiar de novos modelos de remuneração Por Editorial GesSaúde Os custos…Leia mais.

Gestão da Saúde

Programa Formação de Gestores da Saúde vai contribuir para alavancar a carreira dos gestores da Saúde

A gestão da Saúde está passando por grandes transformações e os profissionais mais preparados vão aproveitar as novas oportunidades de…Leia mais.

Gestão da Saúde

Roberto Gordilho lança Formação de Gestores da Saúde para transformar excelentes técnicos em gestores extraordinários

A gestão da Saúde está passando por transformações e os profissionais mais preparados vão ter as melhores oportunidades de carreira…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos