Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas - GesSaúde
Voltar

Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Estabelecer metas, avaliar e metrificar resultados fazem parte do processo do planejamento em Saúde

Por Editorial GesSaúde

A operação dos negócios em Saúde tem se tornado cada vez mais complexa devido aos desafios que surgem constantemente no setor. A demanda por serviços que entregam valor e qualidade aos clientes também tem crescido nos últimos tempos, o que faz com que as organizações de Saúde se cerquem de estratégias voltadas para a manutenção e evolução do negócio. Assim, o planejamento em Saúde tem como espinha dorsal a definição de objetivos e estabelecer metas que permitam acompanhar a evolução dos resultados, sempre com uma visão voltada para a tomada de ação que traga a melhoria da entrega dos serviços e resultados.

Definição de objetivos

No planejamento em Saúde é necessário que o gestor conheça e estabeleça os objetivos da instituição. E nesse processo é importante saber a diferença entre metas e objetivos. São conceitos de gestão que podem parecer similares, mas para o planejamento em Saúde são distintos. Os objetivos podem ser qualificados de duas formas:

  • Objetivos Institucionais: trata-se da missão da organização de Saúde. São os resultados cujo alcance deve acontecer a longo prazo;
  • Objetivos Específicos: tais objetivos têm curto tempo para serem atingidos (médio e curto prazo). Aqui se encaixa a avaliação cotidiana dos processos como forma de monitorar o andamento das atividades e melhorar a entrega de resultados.

O que é meta

A meta é diz respeito a um fim que se quer atingir com prazos pré-estabelecidos. Um ponto importante é que as metas sejam definidas de forma realista e condizente com a estrutura da organização. Por sua vez, as metas qualitativas estão diretamente relacionadas à qualidade dos processos, operação e serviços prestados aos clientes. Assim, servem para nortear o negócio a fim de oferecer a melhor experiência dos clientes dentro da organização de Saúde. 

As metas, assim como os objetivos, são importantes para o planejamento estratégico, pois, estabelecem prazos, qualificam e mensuram os resultados. Além disso, as metas propõem desafios para o planejamento estratégico, elevando a maturidade de gestão e fornecendo oportunidades de renovação constante do negócio. Assim, as metas sugerem parâmetros para a construção do planejamento estratégico. 

Mas de onde surgem as metas para o planejamento em Saúde?

Para estabelecer as metas, o gestor precisa avaliar o ambiente interno e externo à organização de Saúde. Dessas realidades surgem as necessidades e fronteiras que a instituição deve desbravar. Um conceito muito utilizado para esse tipo de análise é a matriz SWOT – sigla em inglês para Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças), uma das ferramenta que pode contribuir na elaboração do planejamento estratégico e na definição das metas.

A aplicação dessa e outras ferramentas e conceitos do planejamento estratégico são apresentados e definidos na obra  “Maturidade de Gestão Hospitalar e Transformação Digital: o novo cenário da Saúde”, por Roberto Gordilho. 

A gestão da Saúde deve ser capaz de definir os melhores objetivos e promover metas atualizadas, principalmente com o cenário atual de constantes transformações no mercado. Portanto, metas e objetivos não são um sonho idealista do gestor. São estruturas para as estratégias de evolução do negócio e melhorias nos serviços prestados. 

Assim, o planejamento em Saúde demanda uma definição realista dos objetivos e metas, uma vez que todo o processo de gestão possa garantir a qualidade dos serviços entregues e planos de ação para a melhoria e manutenção do negócio.

Leia também:

Transformação digital na Saúde: como reduzir erros e ampliar a qualidade

GesSaúde lança curso Maturidade de Gestão e Transformação Digital na Saúde

Conheça 4 programas de valorização do capital humano para organizações de Saúde


5 de dezembro de 2019 | Atualizado dia 15 de janeiro de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Incorporar soluções de suporte à decisão clínica ao fluxo de trabalho pode fazer a diferença na Saúde

Em épocas de internet of things (IoT), inteligência artificial, realidade aumentada, big data, fica meio difícil imaginar nossas vidas sem…Leia mais.

Gestão da Saúde

Gestores extraordinários: o passo a passo para o sucesso

Roberto Gordilho apresenta curso inovador para todos que ocupam ou querem ocupar cargos de gestão e se tornarem gestores extraordinários…Leia mais.

Gestão da Saúde

Maturidade de gestão: vídeos mais acessados de 2019

Roberto Gordilho apresenta os conceitos mais relevantes para a maturidade de gestão na Saúde no canal GesSaúde do Youtube Por…Leia mais.

Gestão da Saúde

O que é maturidade de gestão na Saúde

Entenda o conceito de maturidade de gestão na Saúde.

Gestão Hospitalar

Gestão hospitalar: 10 artigos mais lidos do Portal GesSaúde

2019 foi um ano de transformações na Saúde em que os principais conceitos de gestão hospitalar foram fundamentais para os…Leia mais.

Gestão da Saúde

Ação imediata: entenda como o gestor pode usar essa estratégia

Plano de ação imediata é uma ferramenta de correção de erros a fim de antever cenários e determinar a melhor…Leia mais.

Gestão da Saúde

O plano de ação para organizações de Saúde

Ferramenta de acompanhamento do planejamento, o plano de ação é fundamental para atingir metas e objetivos Por Editorial GesSaúde Como…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Planejamento em Saúde: a importância de objetivos e metas bem definidas

Estabelecer metas, avaliar e metrificar resultados fazem parte do processo do planejamento em Saúde Por Editorial GesSaúde A operação dos…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos