Voltar

Value-based Healthcare: estratégia para melhorar a qualidade e reduzir os custos

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Conceito otimiza a gestão hospitalar fornecendo valor nos serviços de Saúde e ampliando a experiência do cliente

Por Editorial GesSaúde

Agregar valor ao negócio aliando qualidade e otimização dos recursos é uma das formas de garantir a sustentabilidade de uma organização de Saúde. Esse é uma das características do conceito Value-based Healthcare (VBHC), um sistema desenvolvido nos Estados Unidos para reestruturar os sistemas de Saúde tendo como foco principal o valor gerado para o paciente. No cenário do mercado nacional, em que o fee-for-service está dando lugar para o modelo de remuneração por performance, o VBHC é uma ferramenta de estratégia empresarial que pode auxiliar as organizações de Saúde no aprimoramento dos serviços.

O VBHC foi originado pela pesquisa de Michael Porter, em 2014, na universidade de Harvard. Conforme a professora doutora, Andréia de Carvalho Andrade, docente do curso de Graduação em Enfermagem na Universidade Cruzeiro do Sul, o conceito por ser traduzido como Cuidados de Saúde Baseados em Valor. “Trata-se de uma iniciativa de reestruturação dos sistemas de saúde em todo o mundo, sendo o objetivo fornecer valor em saúde para aos pacientes, conter os custos e oferecer mais conveniência e serviços ao cliente”, comentou a especialista.

Andréia esclarece que uma gestão baseada por Value-based Healthcare é necessária a implantação de indicadores para mensurar a qualidade e eficácia dos processos. “Os indicadores em Saúde são inúmeros e essenciais para todos os modelos de gestão, sendo primordial no modelo VBHC para mensurar os desfechos relatados pelo cliente”, disse. A docente cita os seguintes indicadores:

  • Satisfação do cliente
  • Taxa de ocupação
  • Taxa de mortalidade por unidade
  • Tempo médio de permanência
  • Taxa de infecção (pneumonia, infecção urinária, flebite, ferida operatória)
  • Taxa de eventos sentinela

Ainda conforme a professora, tais elementos determinam a elaboração de um Planejamento Estratégico e, consequentemente, programas de compliance para os indicadores com altas taxas. “A proposta do Value-based Healthcare é principalmente de avaliação da qualidade e eficiência dos serviços prestados. Existe uma tendência de que os hospitais cada vez mais sejam remunerados pelas operadoras de planos de saúde por resultado e desfechos e não apenas por produção.  Diante desse novo cenário, a proposta de avaliação e mensuração fazem parte do PROMS – Desfechos Medidos pelo Paciente (Patient-Reported Outcome Measure)”, citou Andréia.

Aplicação

O Instituto para Estratégia e Competitividade de Harvard fornece alguns dos pilares e estratégias para a aplicação do Value-based Healthcare nas organizações de Saúde:

  • Unidades de Prática Integrada (UPI): Organize os cuidados em torno das condições médicas do paciente e dos diferentes segmentos de pacientes;
  • Medir resultados: Princípio fundamental do VBHC, os resultados para o paciente devem ser constantemente mensurados pelos gestores;
  • Custos de mensuração: A gestão deve medir os custos reais do atendimento ao paciente;
  • Reembolso: Reembolsar o ciclo completo de cuidados para condições médicas;
  • Integração de sistemas: Integre clinicamente o atendimento em unidades e instalações separadas usando as estruturas das unidades de prática integrada;
  • Tecnologia da informação: Use a tecnologia da informação para ajudar a reestruturar a prestação de cuidados e medir com precisão os resultados.

A busca por novas práticas de gestão é uma imposição cada vez mais forte no mercado. A competitividade e complexidade da Saúde estão transformando o setor e eficiência tem sido cobrada por clientes cada vez mais empoderados pela tecnologia digital. Por isso, manter o cliente no centro do negócio com uma gestão modernizada e amparada por estratégias de melhoria de resultados é uma forma de manter o equilíbrio para o hospital.

Leia também:

Resultado e profissionalização da gestão, este é o nome do jogo na Saúde

Telemedicina ganha novas aplicações na Saúde Pública

Líder de área e dono de processos: qual a diferença e importância na gestão 


21 de maio de 2019 | Atualizado dia 20 de maio de 2019


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

A tempestade perfeita na Saúde está virando furacão

O amadurecimento da gestão se faz cada vez mais necessário para manter o equilíbrio do negócio e preparar a instituição…Leia mais.

Gestão da Saúde

Conheça 7 medidas de gestão de riscos para aumentar segurança do paciente

O Dia Mundial da Segurança do Paciente é uma data importante para alertar a necessidade de uma assistência eficaz Por…Leia mais.

Gestão da Saúde

Medicina preventiva: uma nova forma de gestão para a Saúde

Especialista explica os motivos de o atual modelo de operação das organizações de Saúde não ser sustentável Por Editorial GesSaúde…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos